Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Mãos amarradas?

1 JUL 10 - 06h:57
A Polícia Federal fechou, na noite de terça-feira, mais um cassino em Campo Grande e apreendeu quase duas dezenas de máquinas caça-níqueis que estavam instaladas num imóvel a cerca de cem metros da Cepol (Centro Especializado de Polícia), que fica aberto 24 horas por dia, e que também abriga a Deops (Delegacia Especializada de Ordem Política e Social), responsável pela investigação e repressão a este tipo de crime.
  
 É evidente que a polícia não tem obrigação de saber tudo o que acontece ao seu redor. Porém, o fato de uma casa que explora jogatina ter se instalado na vizinhança de uma delegacia que funciona 24 horas por dia e nas barbas da especializada revela, no mínimo, que os contraventores tinham a quase  certeza de que não seriam incomodados. Ela já estava ali fazia algum tempo, pois estava lotada de "clientes". A não ser, é claro, que estivessem desafiando as autoridades estaduais, o que não seria uma estratégia inteligente, pois criminoso ou contraventor nenhum é estúpido ao ponto de jogar dinheiro fora. Além disso, não existem motivos para desafios, pois há algumas semanas não se tinha notícias sobre ações policiais contra a jogatina em Campo Grande, que insiste em sobreviver. E, se isto acontece, é sinal evidente de que ela é altamente lucrativa. Quando aconteciam algumas ações esporádicas, normalmente eram recolhidas máquinas obsoletas.

    A princípio, a obrigação de combater os jogos ilegais é da polícia civil. A PF "intrometeu-se" no assunto e apreendeu as máquinas alegando que os equipamentos são fruto de contrabando. Indiretamente, a PF está dizendo: já que vocês não agem, então deixa com a gente. A possibilidade de a PM ou a Polícia Civil ignorarem a existência do cassino é muito remota, pois é inimaginável que  os agentes federais soubessem da existência do cassino e tenham agido sem nenhum comunicado à polícia local. Se isto aconteceu, algo muito grave existe no relacionamento das instituições, ainda mais sabendo que o secretário estadual de Segurança foi delegado federal durante décadas e mantém integrantes da PF em sua assessoria.

    Basta acompanhar a atuação  (ou falta dela)  da Polícia Federal no Estado nos últimos anos para concluir que a instituição não está lá com este embalo todo para se "intrometer" no trabalho de outras corporações. Então, o mais provável é que a ação de uma tenha sido fruto da omissão de outra. Outra possibilidade, esta a mais provável, é que interferências externas e superiores tenham impedido os policiais estaduais de cumprir com sua obrigação e por isso, para impedir que o cassino continuasse desmoralizando a instituição, acionaram a força federal. E, se esta hipótese for a mais acertada, então a situação é extremamente grave, pois indica que o crime organizado pode estar ditando as ordens.  
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CASO DO TRIPLEX

PGR envia ao STJ parecer contra anulação da condenação de Lula

SAÚDE PÚBLICA

OMS declara emergência internacional por surto de ebola no Congo

Reviva tem 77% das obras <br>concluídas na 14 de Julho
CAMPO GRANDE

Reviva tem 77% das obras
concluídas na 14 de Julho

Mandetta lançará programa inédito em Campo Grande na segunda-feira
SAÚDE

Mandetta lançará programa inédito em Campo Grande

Mais Lidas