terça, 14 de agosto de 2018

PROMESSA

Mantega diz nos EUA que gasolina não sobe em abril

16 ABR 2011Por g100h:01

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou ontem (15) que não haverá aumento de gasolina em abril e que, se no futuro houver esta necessidade, caso o petróleo continue subindo, o governo poderá reduzir a Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico), que incide sobre a importação e a comercialização de combustíveis, para neutralizar o efeito da alta da gasolina.

"Se persistir o aumento do petróleo, aí nós vamos estudar o caso. Se você tiver durante muitos meses um preço internacional elevado, é claro que você vai ter que fazer algum ajuste. Aí nós sempre temos a questão da Cide", disse o ministro, que está nos Estados Unidos para participar da reunião do G20.

Segundo Mantega, o governo já lançou mão deste artifício em 2008. Na ocasião, após insistentes altas do petróleo, a Petrobras subiu o preço da gasolina e o governo reduziu a Cide para neutralizar esta elevação."Em 2008, depois de meses consecutivos em que o preço do petróleo se valorizou, aí nós tivemos que deixar, porque, senão, a Petrobras começa a ter prejuízo."

Mantega voltou a deixar claro que deverá prevalecer a decisão do governo no que se refere a um futuro aumento do combustível. Esta semana, o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, havia dito que a gasolina iria subir, caso os preços do petróleo se estabilizem perto da cotação atual.

"Olha, eu sou o presidente do Conselho da Petrobras, ministro da Fazenda e acionista majoritário da Petrobras. E sigo orientação direta da presidenta da República. Portanto, posso afirmar que em abril a gasolina não vai subir. Se persistir o aumento do petróleo, aí nós vamos estudar o caso, ver o que fazer", explicou. "Caso isso venha a acontecer, sempre temos a questão da Cide, como nós já fizemos em 2008", relembrou o ministro.

Reservas
Durante entrevista a jornalistas na sede do Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washignton, após encontro com ministros de finanças e presidentes de bancos centrais do G-20, Mantega falou ainda sobre reservas internacionais e o fato de o FMI ser contrário ao acúmulo excessivo de reservas. "Nós vamos continuar acumulando reservas. O excessivo acúmulo de reservas é considerado um dos indicadores de desequilíbrio. Eles não estão pensando no Brasil porque as nossas reservas representam 13% do PIB, e sim em outros países onde as reservas representam mais de 50% do PIB", disse. 

Leia Também