Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Mais um disco sertanejo do músico Castelo

12 AGO 10 - 07h:28
Com 26 registros sonoros, lançados ao longo de 4 décadas, entre compactos, LPs e CDs, o músico Castelo é um dos mais importantes nomes da música sertaneja no Estado. Para relembrar parte dessa trajetória e mostrar novas composições, ele lança no domingo, às 12h, na Chácara da Antártica, o novo álbum, “44 anos de estrada”. “Com certeza, quem não conhece meu trabalho poderá ter uma ideia do que eu fiz ao longo dos anos. Coloquei alguns dos meus sucessos e material novo”, destaca Castelo, que gravou o primeiro disco ao lado do irmão, com Trio Serenata, no início da década de 1970. “Era um compacto duplo. Depois fizemos muito sucesso com a música ‘Chê florência’”, recorda. Na sequência, participou da dupla Castelo e Mansão, grupos Carandá e Pantanal.
No total, o novo álbum apresenta 20 faixas, incluindo as regravações de “Garça branca”, outro grande sucesso de sua carreira, e “Coisas do poeira”. No entanto, a maior parte do repertório é constituída de canções novas. Para registrá-las em estúdio, contou com a participação de vários músicos convidados, entre eles, Delinha, Guarani, Mansão, Nelsinho – atual parceiro com quem mantém dupla, Frank, Camponês e Luiz Nascimento. No show, deverá dividir o palco com Delinha, Grupo Pantaneiro, Som do Mato, os sanfoneiros Dom Ramão e Jatobá, Tony de Paulo e Marcony. “Possivelmente outros amigos da música deverão participar do show de lançamento”.
Castelo se define como um adepto do chamamé e da guarânia. Isso não foi esquecido nem durante a temporada que passou no Japão há alguns anos. “Lá fui trabalhar numa fábrica, mas quando podia lembrava das músicas daqui. A ideia desse disco que lanço agora surgiu lá”. Sobre o atual sucesso de artistas sertanejos fora do Estado, diz se orgulhar de ser um dos desbravadores do segmento. “Fico contente de saber que foi a semente que eu, o Amambai e Amambaí, e muitos outros, plantamos no passado, agora frutificou”. (OR)
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Felpuda

BRASIL

Envolvimento de agentes de saúde pode acelerar diagnóstico de câncer

BRASIL

Tratamento para doenças raras precisa de investimentos em pesquisa

BRASIL

Motorista embriagado invade lanchonete, atropela 4 e mata jovem

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião