quarta, 18 de julho de 2018

DROGAS

Maior traficante da Vila Nha-Nhá foi preso pela Denar

27 NOV 2010Por Vânya Santos08h:09

A Polícia Civil prendeu ontem Anderson da Silva Nakamura, vulgo Japão, de 28 anos, considerado o maior fornecedor de pasta base de cocaína do Bairro Jardim Nhanhá. Policiais da Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico (Denar) cumpriu, por volta das 7h de ontem, sete mandados de busca e apreensão, que resultaram na prisão de Anderson, sua esposa Suzana Santana Taborda, 26 anos, seu sócio no tráfico, Luciano Souza Barbosa, o Piquinês, 25 anos, o comparsa Reginaldo da Silva, o Dega, 28 anos, e um adolescente de 17 anos.
De acordo com equipe da Denar, Anderson atua a mais de oito anos como traficante no Bairro Nhanhá e a pelo menos cinco a polícia tenta prendê-lo, no entanto, ele sempre conseguiu escapar das investidas. O fornecedor esteve preso pela prática de tentativa de homicídio cometida em 2002 e estava em liberdade condicional.
Luciano é apontado como sócio de Anderson no fornecimento de droga, enquanto Reginaldo vendia o entorpecente e também liderava o grupo de pessoas que revendia pasta base de cocaína. Já o adolescente saiu de uma Unidade Educacional de Internação (Unei) da Capital a cerca de um mês e voltou a traficar. Ele foi apreendido e encaminhado para a Delegacia Especializada de Atendimento à Criança e ao Adolescente (Deaij).

Apreendidos
Segundo informações da polícia, foram apreendidos cerca de R$ 47,5 mil, R$ 15,5 mil em lâminas de cheques, US$ 6, 20 aparelhos celulares de origem não comprovada, balança de precisão, munições, máquina fotográfica, cartão de crédito, comprovante de depósito no valor de R$ 8 mil em nome de Suzana, duas motocicletas e um veículo Palio. Também foram apreendidas 83 porções de pasta base totalizando 477 gramas da droga, que podem ser transformadas em aproximadamente duas mil “paradinhas“, com rendimento de R$ 20 mil.
A polícia revelou que o traficante só trabalhava com pasta base e que contava com parceria de vários “freteiros” responsáveis por trazer a droga da Bolívia. Em Campo Grande, Anderson repassava a droga em estado bruto para traficantes de menor potencial, que preparavam o entorpecente para vendê-lo em pequenas porções.
Ainda conforme equipe da Denar, o fornecedor costumava guardar a droga na residência de Luciano, na Rua Damianópolis, Bairro Jardim das Hortênsias e em outros três imóveis, que ficam na Rua Sol Nascente, Bairro Nhanhá.

Cães
Policiais militares da Rondas Ostensivas com Cães Adestrados da Companhia Independente de Gerenciamento de Crises e Operações Especiais (Cigcoe), atuaram em parceria com a Denar e cães farejadores, um da raça pastor belga e outro da raça lavrador, ajudaram a encontrar a droga apreendida com os traficantes. Os animais foram utilizados em buscas nas quatro casas que funcionavam como depósito de pasta base.

Leia Também