Quarta, 13 de Dezembro de 2017

à Presidência

Magno Malta pede ao PR para ser candidato

24 FEV 2014Por folhapress00h:00

Conhecido por seus polêmicos discursos contra a pedofilia, o senador Magno Malta (PR-ES) pediu ao comando do PR para ser candidato à Presidência da República. Apesar de o partido ser da base aliada da presidente Dilma Rousseff e articular apoio à sua reeleição, Malta disse que chegou o momento de o PR ter candidato próprio à Presidência para discutir temas que "desagradam" quem está no poder.

"Ninguém é tão bom que precisa se perpetuar no poder, e não tão ruim que não deixe nada de bom. O país enfrenta muitos problemas, principalmente na segurança pública. Que o partido estude a possibilidade de abrir esse debate", afirmou.

Evangélico, Malta entregou carta ao presidente do partido, Alfredo Nascimento (PR), com suas principais propostas na campanha presidencial com foco na área da segurança pública.

Entre as propostas do congressista, estão a redução da maioridade penal para 16 anos, a instituição de prisão perpétua para pedofilia e narcotraficantes, a extinção de unidades de detenção de menores e a PEC 300 (que cria piso nacional para os policiais).

Malta disse que vai "percorrer o Brasil" nos próximos quatro meses para que a população pressione a cúpula do PR a aceitar o seu pedido. "Com respeito aos nomes que estão postos, nós temos condições de debater na cobertura, sem ficar no térreo ou no primeiro andar seguindo ordens de quem está em cima", disse.

Presidente do PR, Nascimento disse que o partido só vai decidir quem terá seu apoio na corrida presidencial entre maio e junho. Apesar de considerar "legítimo" o pedido de Malta, Nascimento disse que caberá à executiva nacional da sigla definir se o PR terá candidatura própria.

"O partido é da base para dar apoio e sustentação aqui no Congresso. A discussão de apoio na disputa à Presidência o partido vai fazer no momento certo", disse Nascimento.

O presidente do partido disse que foi pego de surpresa com o pedido de Malta, que já havia se colocado como pré-candidato ao governo do Espírito Santo. "Isso era o que eu conhecia, e registrei o meu apoio. Mas ele tem todo o direito de entregar o pedido, como qualquer outro filiado."

O senador Antônio Carlos Rodrigues (PR-SP), que participou do ato de entrega da carta, disse que o PR deve "levar em consideração a luta que o senador tem pelo partido".
Gospel

Malta chegou ao encontro com Nascimento de mãos dadas com sua mulher, a deputada federal Lauriete (PSC-ES), que é cantora gospel. Os dois se casaram no ano passado e são integrantes da bancada evangélica do Congresso. O senador foi presidente da CPI da Pedofilia do Senado e tem como prática subir à tribuna da Casa para criticar criminosos e pedófilos.

Ao anunciar o desejo de ser candidato, Malta estava cercado por integrantes de lideranças evangélicas que aplaudiram suas propostas e levantaram faixas em defesa da redução da maioridade penal e do combate à pedofilia.

O senador disse que decidiu lançar seu nome na corrida presidencial depois de que um apóstolo evangélico lhe telefonou pedindo para assumir essa missão. "Presidente da República deve agir com o coração de mãe: quando tem dois filhos e apenas um cobertor, com carinho, divide com os dois para que não sofram com o frio", disse Malta. 

Leia Também