ESQUEMA

Mãe e filha são investigadas por golpes em portugueses no Rio

Mãe e filha são investigadas por golpes em portugueses no Rio
09/03/2011 17:03 - TERRA


A Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu em flagrante nesta quarta-feira uma mulher que, junto com sua mãe, aplicava golpes em imigrantes portugueses na cidade. Gisele Resende dos Santos, 24 anos, fazia parte de um esquema em que sua mãe, Ana Rosa Esteves Resende, 60 anos, fazia-se passar pela chanceler do consulado de Portugal no Brasil, Maria José da Piedade Nunes da Silva.

Segundo o delegado Pablo Sartori, titular da 41ª DP, Ana Rosa frequentava estabelecimentos de imigrantes portugueses e se apresentava como representante do consulado português no País. "Ela conversava, pegava confiança e depois oferecia serviços", disse o delegado. A mulher, que é portuguesa, prometia o reconhecimento de dupla nacionalidade, aposentadoria em Portugal e resolver problemas de imóveis no país europeu, entre outros serviços.

A filha, Gisele, "fazia a parte mecânica", afirmou o delegado Pablo Sartori: tirava cópias de documentos, coletava assinaturas e recolhia o dinheiro. Ela foi presa em flagrante em uma armadilha da polícia. A última vítima das estelionatárias havia descoberto a farsa e denunciado à polícia, após ter pagado R$ 3 mil às duas para ter dupla nacionalidade. Em seguida, o homem pediu ajuda para resolver um problema com um inquilino em Portugal. A prisão ocorreu no momento da entrega do dinheiro, em Jacarepaguá.

De acordo com o delegado Pablo Sartori, outras vítimas já havia relatado golpes ao consulado português. "Vamos entrar em contato com essas vítimas e tentar fazer o reconhecimento por foto", afirmou Sartori, para tentar encontrar Ana Rosa Esteves Resende, que está desaparecida.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".