Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

REAÇÃO

Maduro: não renunciarei a mandato dado pelo povo

16 FEV 14 - 19h:00AGÊNCIA BRASIL

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse ontem, sábado (15), que não renunciará e que “não entregará um só milímetro do poder que recebeu do povo do país”. Em meio a fortes protestos que enfrenta, ele participou de marcha em Caracas. Durante a marcha, ele disse que aprofundará a “revolução bolivariana muito além dos limites”. A marcha havia sido convocada pelo governo na última sexta-feira (14), em apoio a um “plano de pacificação” lançado para combater a criminalidade no país. A idéia da marcha, de acordo com o presidente, era de “reunir a população em prol da paz e contra o fascismo”.

Em seu discurso, direcionado a uma multidão de simpatizantes e partidários do chavismo, Maduro afirmou que, em caso hipotético de que seja “derrocado do poder", a oposição do país enfrentaria “grandes problemas”.

E acrescentou: "Se um golpe ocorresse, a revolução pacífica e democrática vivida atualmente poderia mudar seu caráter, talvez para um caráter armado e profundamente revolucionário”. Ele voltou a acusar a oposição de planos de um golpe de estado e estendeu as acusações ao ex-presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, conhecido por suas posições de direita.

“Tenho provas de que Uribe preparou este grupo de Leopoldo López, o financiou, o assessorou e o dirigiu para atentar contra a Venezuela e o povo”, acusou Maduro. E ameaçou: “Te derrotaremos sempre”.

Leopoldo López é um integrante da oposição do país, acusado pelo governo de ter sido o mentor dos atos violentos ocorridos nos protestos da ultima quarta-feira (12). A Justiça decretou uma ordem de prisão para detê-lo, mas ele está foragido.

O ex-presidente Álvaro Uribe, agora candidato ao senado na Colômbia, não respondeu às acusações de maneira direta, mas disse em sua conta no twitter e em entrevistas à emissoras de TV colombianas que “apoia a democracia na Venezuela” e disse expressar “solidariedade ao povo venezuelano”.

Maduro também falou a veículos de comunicação extrangeiros. "Mandei uma mensagem muito clara para esse canal de notícias [o colombiano NTN24], onde, por trás, está a mão de um fascista inimigo da Venezuela, Alvaro Uribe".

O presidente confirmou em seu discurso que a decisão de retirar o canal NTN24 foi tomada por seu governo. Segundo ele, a cobertura "buscava gerar apenas medo, perturbação e ódio, para promover um golpe de Estado".

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Com temperaturas perto de 40ºC, umidade do ar despenca em MS
ALTAS TEMPERATURAS

Marcando quase 40ºC, umidade despenca em MS

'Avenida Brasil' será reprisada no 'Vale a Pena Ver de Novo'
NOVELA

'Avenida Brasil' será reprisada no 'Vale a Pena Ver de Novo'

Desaparecido desde sexta, homem é encontrado morto em rio
PONTA PORÃ

Desaparecido desde sexta, homem é encontrado morto em rio

Preço da gasolina volta a subir <br>após duas semanas em queda
APONTA ANP

Preço da gasolina volta a subir
após duas semanas em queda

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião