Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

REAÇÃO

Maduro: não renunciarei a mandato dado pelo povo

Maduro: não renunciarei a mandato dado pelo povo
16/02/2014 19:00 - AGÊNCIA BRASIL


O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse ontem, sábado (15), que não renunciará e que “não entregará um só milímetro do poder que recebeu do povo do país”. Em meio a fortes protestos que enfrenta, ele participou de marcha em Caracas. Durante a marcha, ele disse que aprofundará a “revolução bolivariana muito além dos limites”. A marcha havia sido convocada pelo governo na última sexta-feira (14), em apoio a um “plano de pacificação” lançado para combater a criminalidade no país. A idéia da marcha, de acordo com o presidente, era de “reunir a população em prol da paz e contra o fascismo”.

Em seu discurso, direcionado a uma multidão de simpatizantes e partidários do chavismo, Maduro afirmou que, em caso hipotético de que seja “derrocado do poder", a oposição do país enfrentaria “grandes problemas”.

E acrescentou: "Se um golpe ocorresse, a revolução pacífica e democrática vivida atualmente poderia mudar seu caráter, talvez para um caráter armado e profundamente revolucionário”. Ele voltou a acusar a oposição de planos de um golpe de estado e estendeu as acusações ao ex-presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, conhecido por suas posições de direita.

“Tenho provas de que Uribe preparou este grupo de Leopoldo López, o financiou, o assessorou e o dirigiu para atentar contra a Venezuela e o povo”, acusou Maduro. E ameaçou: “Te derrotaremos sempre”.

Leopoldo López é um integrante da oposição do país, acusado pelo governo de ter sido o mentor dos atos violentos ocorridos nos protestos da ultima quarta-feira (12). A Justiça decretou uma ordem de prisão para detê-lo, mas ele está foragido.

O ex-presidente Álvaro Uribe, agora candidato ao senado na Colômbia, não respondeu às acusações de maneira direta, mas disse em sua conta no twitter e em entrevistas à emissoras de TV colombianas que “apoia a democracia na Venezuela” e disse expressar “solidariedade ao povo venezuelano”.

Maduro também falou a veículos de comunicação extrangeiros. "Mandei uma mensagem muito clara para esse canal de notícias [o colombiano NTN24], onde, por trás, está a mão de um fascista inimigo da Venezuela, Alvaro Uribe".

O presidente confirmou em seu discurso que a decisão de retirar o canal NTN24 foi tomada por seu governo. Segundo ele, a cobertura "buscava gerar apenas medo, perturbação e ódio, para promover um golpe de Estado".

Felpuda


Partido está aos poucos montando a que vem sendo chamada de “chapa do quartel”, pois os pré-candidatos são oriundos da caserna. Há quem diga que os dirigentes da legenda ainda estão querendo pegar carona no “fenômeno Bolsonaro”, esquecendo-se que o presidente, embora vindo da área militar, está na política há 30 anos e o seu programa de governo agradou 57,7 milhões de eleitores. Dizem que tchurminha será obrigada a adicionar mais ingredientes no currículo, senão...