Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Menor tarifação

Luz pode ficar mais barata com fontes renováveis e leilões de energia

31 MAR 11 - 21h:00Agência Brasil

Uma série de medidas tomadas pelo Ministério de Minas Energia (MME) pode baratear as contas de luz nos próximos anos.

Entre elas, o uso do potencial do bagaço de cana-de-açúcar para geração de energia elétrica, que deve ter a exploração ampliada nos próximos dez anos.

Segundo o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do ministério, Altino Ventura Filho, ao participar, na terça (29), do 1º Seminário sobre a Matriz Energética, promovido pela Fundação Getulio Vargas, no Rio de Janeiro, outra opção são os leilões de energia elétrica, dos quais participam empresas geradoras de eletricidade e os compradores, que são os distribuidores.

"No Brasil, o suprimento de energia se dá a partir da competição e se reflete no menor custo possível", afirmou.

Segundo ele, outra forma de baratear os custos, no curto prazo, é a inclusão da Região Norte no Sistema Interligado Nacional.

Dessa maneira, os usuários vão receber energia de hidrelétricas e não mais de térmicas, que, além de mais caras, são mais poluentes.

Expansão de fontes

Para incentivar a maior utilização do bagaço de cana na matriz energética, o secretário lembra que o ministério tem políticas de diversificação, que preveem uma participação maior de usinas hidrelétricas. Atualmente, lembrou o secretário, a matriz brasileira ainda é muito dependente do petróleo.

"No nosso plano para os próximos dez anos, 70% do incremento de mercado de energia, vamos atender com hidreletricidade, que é mais competitiva que outras fontes", afirmou Ventura, explicando que, por meio de novas tecnologias, essas usinas causam cada vez menos impactos ambientais.

Os outros 30% de incremento previstos pelo governo devem vir de outras fontes renováveis como as usinas eólicas, em função da vocação da costa brasileira para a formação de ventos e o gás natural, que deve ter a oferta aumentada a partir da exploração de reservas localizadas na área do pré-sal.

Durante o seminário, Ventura disse que, para diminuir o preço da conta luz, também é preciso rever a política fiscal do País, que, em muitos estados, segundo ele, faz com que os impostos tenham uma incidência "desigual".

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CLÁUDIO HUMBERTO

Caso único no mundo

Confira o seu astral para esta terça-feira
OSCAR QUIROGA

Confira o seu astral para esta terça-feira

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta terça-feira: "O pragmatismo sempre vence"

ARTIGO

Flavio A. Sandi: "Os limites e a liberdade na educação"

Professor

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião