ECONOMIA

Lupi nega ter cedido à pressão de empresas para implantar sistema

Lupi nega ter cedido à pressão de empresas para implantar sistema
20/08/2010 05:27 -


Brasília

O ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, negou ontem que tenha cedido ao apelo das empresas ao adiar para 1º de março de 2011 o prazo para a instalação do registro de ponto eletrônico. “Não sou homem de sofrer pressões”, garantiu. “Estou convicto de que a medida é positiva para os dois lados”, acrescentou.
As novas regras, previstas na portaria de 1.510/09, começariam a vigorar no dia 26 de agosto e a fiscalização com aplicação de multa seria iniciada a partir de dezembro. Lupi alegou que o maior número de reclamações na Justiça Trabalhista é a de não pagamento de horas extras. Com a instalação do ponto, segundo o ministro, o controle também poderá ser feito pelo empregado. “Me ‘comeram’ meia hora, está errado. E aí arrumam”, disse Lupi, reproduzindo o que seria a queixa de um trabalhador.
O ministro relatou ainda que tanto empresas quanto sindicatos de trabalhadores solicitaram que, nos casos em que há acordos coletivos, eles se sobreponham à existência do ponto eletrônico. “Nos pediram mais flexibilidade e ficaram de colocar isso em um documento”, explicou. O tema será levado para estudo pela área técnica do ministério. “O que não posso fazer é da exceção, regra.”
Lupi disse que decidiu adiar o prazo para a instalação dos equipamentos por conta da falta de itens disponíveis no mercado para aquisição das empresas. “Não tinha como exigir isso das empresas”, considerou. Indagado sobre se a medida, ao ser empurrada para o próximo governo, poderia nunca sair do papel, o ministro se disse, mais uma vez, um otimista. “Acredito que o próximo governo será nosso e que o tema terá sequência”, disse o ministro, que é do PDT, que faz parte da coligação de apoio à candidata pelo PT, Dilma Rousseff.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".