Domingo, 25 de Fevereiro de 2018

ÁFRICA

Lula volta a defender Enem, mas admite que prova pode ser refeita

10 NOV 2010Por Terra10h:53

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira em Moçambique, que qualquer problema ocorrido nas provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) não invalida os resultados alcançados e que o processo vai continuar.

"O Enem é um exemplo de uma coisa bem-sucedida. Se tem problemas, vamos consertar", afirmou. Lula falou com os jornalistas na Base Aérea de Malavane, minutos antes de deixar Maputo, a capital moçambicana, rumo à Coreia do Sul, onde participa da reunião do G20.

O presidente garantiu que a Polícia Federal vai investigar para saber o que ocorreu efetivamente no exame e que nenhum jovem vai ficar sem cursar a universidade. "Se for necessário fazer uma prova, faremos; se forem necessárias duas, faremos. Mas o Enem vai continuar a ser fortalecido. É isso."

Sobre a recomendação do Tribunal de Contas da União (TCU) de paralisar 32 obras públicas por irregularidades graves, Lula disse que o ato é uma questão administrativa. Do total, 18 são do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O relatório foi entregue ao Congresso Nacional, que decidirá se aceita a recomendação.

"Se o TCU encontrou alguma irregularidade, na lógica dele, numa obra, pode ficar certo que o ministério atingido vai entrar com recursos e isso certamente será resolvido", afirmou Lula. "No fundo, faz parte da normalidade administrativa do nosso país."

Sobre a prisão de um dos chefes da Receita Federal no Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos (SP) e mais 22 pessoas, por suspeita de fraudar importações, o presidente disse que o fato mostra a seriedade do trabalho da polícia brasileira. "Seja quem quer que seja - do presidente ao menor servidor público - só tem um jeito de não ser molestado: é andar na linha."

No último compromisso antes de deixar Moçambique, o presidente Lula visitou as futuras instalações da fábrica de remédios antiaids, que está sendo montada com patrocínio do governo brasileiro. Depois de uma espera de sete anos, a primeira máquina foi instalada para treinamento.

A mineradora brasileira Vale anunciou que irá ajudar o governo moçambicano a completar o valor necessário (U$ 4,5 milhões, aproximadamente R$ 7,6 milhões) para a adequações do prédio que vai abrigar os laboratórios. O investimento do governo brasileiro foi de R$ 13,6 milhões. A meta é produzir 250 milhões de comprimidos até 2012.

A comitiva do presidente deixou Maputo logo depois do meio-dia, hora local (8h em Brasília). A aeronave fará uma escala para abastecimento nas Ilhas Maldivas e desembarca em Seul ao meio-dia de quinta-feira (11), pelo horário local.

Leia Também