Sábado, 24 de Fevereiro de 2018

G-20

Lula adverte contra medidas unilaterais e diz que o 'futuro à Dilma pertence'

12 NOV 2010Por FOLHA ONLINE06h:46

Em seu último discurso na cúpula do G20, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva advertiu neste sexta-feira contra os reflexos de "decisões unilaterais" de países ricos na economia mundial, fez vários autoelogios e pediu ajuda à África.

"Eu não gosto de falar do futuro, porque o futuro à Dilma pertence, presidente nova no Brasil a partir de 1º de janeiro. Mas quero dizer pra todos vocês que o Brasil vive o seu melhor momento desde 1961", afirmou Lula, com a presidente eleita e aliada ao lado.

Lula usou a maior parte do discurso para fazer um balanço positivo do seu governo: disse que o Brasil vai cumprir as metas do milênio, lembrou que o país foi um dos primeiros a sair da crise e ressaltou que Dilma não receberá um "herança maldita".

"A crise no Brasil durou praticamente seis meses, entre outubro e março. Um dia depois, todos os setores da economia já estavam se recuperando a partir de uma decisão de governo, de fortalecer o mercado interno como base do desenvolvimento econômico", afirmou Lula, na reunião com os demais chefes de Estado do G20 e convidados.

"A presidenta Dilma não vai fazer nenhum discurso dizendo que recebeu uma herança maldita do presidente Lula porque ela ajudou a construir tudo o que nós construímos até agora. O [presidente americano, Barack] Obama recebeu uma herança maldita, uma crise financeira sem precedentes. Eu recebi uma herança maldita, um país andando pra trás."

Sobre o tema mais controvertido da cúpula, a guerra cambial, Lula criticou "decisões unilaterais" e pediu mais coordenação entre os países.

"Companheiros, não existe nenhuma possibilidade de não compreendermos que não existe mais decisões unilaterais na economia mundial se a a gente não levar em conta as outras economias."

"Qualquer decisão que a Argentina tomar ou que o Brasil tomar terá efeitos imediatos nos países vizinhos. Agora, imaginem potências econômicas como a União Europeia, os Estados Unidos, a China ou Índia tomando posições unilaterais sem levar em conta a repercussão no restante do mundo."

No final de sua intervenção, o presidente brasileiro fez um apelo de ajuda à África: "É extremamente importante que, sem condescendência, sem a política do favor que fizemos no século 20, que a gente tenha uma política de desenvolvimento para ajudar os países mais pobres do mundo".

Leia Também