Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

COLEGA EM 2002

Lúcio agradece honra de ter jogado com Rivaldo

Lúcio agradece honra de ter jogado com Rivaldo
16/03/2014 08:15 - gazeta esportiva


O anúncio da aposentadoria de Rivaldo fez Lúcio lembrar com ainda mais carinho do que ocorreu há quase 12 anos. Titular da Seleção Brasileira ao lado do camisa 10 campeão da Copa do Mundo de 2002, o zagueiro do Palmeiras se disse honrado por ter sido colega do jogador eleito o melhor do mundo pela Fifa em 1999. “Fez sucesso na Europa, foi Bola de Ouro, campeão mundial. É um campeão nos campos e fora. Agradeço a Deus por ter tido o prazer de jogar ao lado dele, fico feliz e honrado por isso. Desejo tudo de bem para ele e sua família”, comentou o atleta, que hoje defende a camisa alviverde com a qual Rivaldo mais se destacou no Brasil.

Lúcio e Rivaldo nunca foram colegas de clube, mas atuaram com frequência juntos pela Seleção Brasileira entre 2000 e 2003. O ápice dos dois lado a lado com a camisa verde e amarela foi no Mundial no Japão e na Coreia do Sul, que nunca foi esquecido pelo defensor.
“O futebol brasileiro e a Seleção ganharam muito com a participação dele. Na Copa do Mundo de 2002, ajudou bastante, fez gols contra a Inglaterra e a Turquia, fez um excelente Mundial. Como jogador, era um espetáculo. Foi fundamental no título mundial. Sem dúvida, vai ficar na história”, apostou Lúcio.

O camisa 33 do Verdão fez questão de elogiar o agora ex-jogador também por sua postura dentro de campo. “Não só como jogador, mas como homem e pessoa o Rivaldo tem um caráter invejável. Pude conviver alguns momentos com ele fora das concentrações”, lembrou.

Felpuda


Ao que tudo indica, partido teria criado “racha” apenas visando jogar para a plateia, e, assim, quem estava com a corda toda anunciou que se prepara para o desembarque. Nos bastidores o que se ouve é que o tal fundo partidário seria o motivo da desavença e que quem nunca comeu mel quando come se lambuza. Só que não. A estratégia é continuar “dono” da atual legenda e “tomar a frente” de partido que está em fase embrionária. Tudo inspirado na “velha política”.