Lucien é o novo candidato do PSOL ao Senado

Lucien é o novo candidato do PSOL ao Senado
30/07/2010 08:14 -


lidiane kober

A Executiva Regional do PSOL revogou a candidatura de Jorge Batista ao Senado e anunciou o presidente regional do partido, Lucien Roberto Rezende, como o novo representante da sigla na disputa eleitoral. A decisão levou em conta problemas na filiação de Batista à legenda, além de outro impasse judicial. A situação abriu conflito partidário porque o então candidato não aceita sair do embate e promete recorrer da decisão.
Antes de tomar qualquer atitude, Batista aguarda posição da Justiça Eleitoral sobre sua filiação ao PSOL. Segundo ele, ocorreu apenas erro de digitação de seus dados pessoais. “Se a Justiça ratificar minha filiação, vou recorrer da decisão da executiva. Caso contrário, vou pedir a impugnação de todas as candidaturas da sigla, porque, como um cara estranho pode assinar, como delegado do partido, todos os registros das candidaturas?”, questionou.
Independentemente do problema na filiação, Lucien defende que Batista só poderá se candidatar pela legenda depois de resolver impasse judicial por agressão contra sua mulher. “Ainda mais agora com a aprovação da Lei da Ficha Limpa”, disse.
A questão abriu outra crise, mas desta vez com a família de Batista. Por telefone, a mulher do ex-candidato a senador, Etelvina Vitorino Sobrinho, se queixou do fato de Lucien entrar em sua vida privada. “Ele agrediu minha família”, acusou. Ela ainda garantiu não ter problemas de relacionamento com seu marido.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".