CAMPO GRANDE

Los Angeles é definido como o primeiro do 'Crack, é possível vencer'

Los Angeles é definido como o primeiro do 'Crack, é possível vencer'
24/07/2012 18:00 - DA REDAÇÃO


Em reunião hoje (24), em Brasília, secretários do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul e da Prefeitura de Campo Grande definiram que o foco inicial do Plano do Governo Federal “Crack, é possível Vencer” - desenvolvido em parceria com os gestores estaduais e municipais - será a região do Bairro Los Angeles, em Campo Grande.

O plano tem a proposta de atender os usuários de crack nas questões de saúde, assistência social, educação e prevenção. Entre as propostas estão a criação nos próximos dois anos, em todo o país, de 308 Consultórios na Rua, com profissionais de saúde; oferecer 5,2 mil leitos novos ou qualificados até 2014; reajustar o valor da diária de internação paga pelo SUS (Sistema Único de Saúde) de R$ 57 para R$ 300 por leito; construir 430 unidades de acolhimento até 2014, e investir R$ 300 milhões em projetos de reinserção social nos próximos 24 meses.

De acordo com o Secretário Nacional de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, Helvécio Miranda Magalhães Júnior, a proposta é “tratar a dependência química como um grande problema de saúde”. Ele explicou que o sistema de saúde e atendimento aos dependentes “não acompanharam a demanda, que explodiu”.

“Onde existe maior aglomeração de pessoas, o problema é maior, por isso definimos Campo Grande como o município para iniciarmos este Plano. Atualmente, os usuários de crack já estão formando grupos nos bairros”, afirmou a secretária de Estado de Saúde de Mato Grosso do Sul, Beatriz Dobashi.

Além deste programa nacional, o governo de Mato Grosso do Sul elaborou o “Plano MS sem Drogas”, que aborda ações multidisciplinares e prevê investimentos de R$ 72,6 milhões até 2014. A proposta precisa de recursos federais e foi entregue em maio deste ano ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".