ESTUDO

Lontras ajudam indiretamente a reduzir CO2 na atmosfera

Lontras ajudam indiretamente a reduzir CO2 na atmosfera
10/09/2012 00:00 - g1


Um novo estudo feito por pesquisadores americanos da Universidade da Califórnia em Santa Cruz sugere que aumentar a população de lontras-marinhas poderia contribuir, indiretamente, para a redução de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera, – um dos principais gases causadores do aquecimento global.

Isto porque, segundo a pesquisa descrita esta semana na revista científica "Frontiers in Ecology and the Environment", esses mamíferos são capazes de espantar ouriços-do-mar, que se alimentam de algas marinhas. Essas algas, por sua vez, são responsáveis por absorver grandes quantidades de CO2 da atmosfera.

Segundo o professor de ecologia e biologia evolutiva Chris Wilmes, um dos autores do trabalho, foram combinados mais de 40 anos de dados sobre lontras e algas encontradas na Ilha de Vancouver, no oeste do Canadá.

O pesquisador diz que as lontras marinhas têm um efeito indireto positivo sobre a biomassa de algas. Ele explica ainda que os ouriços-do-mar se escondem em fendas e evitam se alimentar de restos de algas com a presença das lontras, aumentando o trabalho de absorção de CO2 pelos vegetais aquáticos, por meio do processo de fotossíntese.

De acordo com o estudo, a divulgação sobre o aumento da população de lontras não resolve totalmente o problema das emissões de gás carbônico, mas essa é uma forma de alertar sobre a necessidade de incluir a preservação dos animais em modelos climáticos e métodos de captura de carbono.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".