Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Revogação

Lobby tenta barrar veto a aromatizantes nos cigarros

1 ABR 11 - 13h:42Folha

Agricultores e a indústria do fumo tentam barrar novas restrições à exposição e à venda de cigarros, além da proibição do uso de aromatizantes e açúcares nos derivados de tabaco no país.

As medidas estão sendo discutidas em duas consultas públicas promovidas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e estão de acordo com a Convenção Quadro (tratado internacional antitabagismo do qual o Brasil é signatário).

O lobby do cigarro atua em duas frentes. De um lado, tenta convencer o Planalto a obrigar a Anvisa a recuar de novas restrições; de outro, trabalha para retardar a conclusão das consultas.

Autoridades de saúde afirmam que, combinadas, a alteração do sabor do cigarro e a proibição da exposição podem reduzir o consumo.

O Sinditabaco (associação das indústrias de cigarro) alega que as restrições trarão prejuízos para 1 milhão de agricultores familiares, fecharão postos de trabalho e permitirão que o cigarro contrabandeado ganhe terreno.

Para retardar a conclusão das consultas públicas, agricultores e empregados da indústria preencheram cerca de 200 mil formulários com sugestões à Anvisa _que não pode implementar novas restrições sem analisar todo o material produzido durante o debate. As fichas devem ser entregues hoje ao órgão.

Empresas do setor bancaram a impressão dos formulários e montaram uma operação logística para distribuí-los e depois recolhê-los entre produtores nos Estados do Sul, que concentram mais de 90% da produção brasileira.

"Queremos postergar o resultado dessas consultas para esclarecer alguns pontos, como o dos ingredientes. Mudar o sabor do cigarro não tem nenhuma relação com a questão da saúde", diz Benicio Werner, presidente da Afubra (entidade nacional de agricultores de fumo).

Para o presidente da Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas, Carlos Salgado, a proibição de ingredientes é benéfica, porque muitos jovens se iniciam no tabagismo fumando cigarros mentolados, de sabor mais palatável.

CAMPANHA

No front político, deputados e senadores do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina, do Paraná e da Bahia (maiores produtores) pressionam o governo. O chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, se comprometeu a receber os políticos e representantes do setor fumageiro.

Um dos instrumentos de pressão é o forte apoio que Dilma Rousseff teve nas cidades que lideram a produção de fumo. Na campanha do ano passado, a petista conquistou até 80% no eleitorado das regiões fumageiras.

"Eu fazia campanha com o programa do [José] Serra na mão, mostrando aos colonos que ele era contra o tabaco, e que a Dilma tinha se comprometido a apoiar os produtores. Passou a eleição, mudou tudo", diz o deputado Sérgio Moraes (PTB-RS).

Procurada pela Folha, a Anvisa não se manifestou.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Mistura de queimadas com frente fria explicam dia cinza em MS
TEMPO

Queimadas com frente fria explicam dia cinza em MS

Raio-x flagra mulher com 50 cápsulas de cocaína no estômago
SERVIÇO DE MULA

Mulher é presa com cápsulas de cocaína no estômago

TJ mantém condenação de homem por violência doméstica após reconciliação
TRÊS MESES DE PRISÃO

TJ mantém condenação de homem por violência doméstica após reconciliação

Vereadores afastados tomam posse em Dourados
RETORNO

Vereadores afastados tomam posse em Dourados

Mais Lidas