Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Lixão é a base da economia de três bairros

24 FEV 10 - 06h:49
Cerca de seis mil famílias tiram da reciclagem o sustento da família, que também movimenta de forma indireta a economia de Campo Grande. Na região das proximidades do lixão da Capital, há uma média de R$ 1,5 milhão gerada mensalmente por meio do que é reciclado. A quantia movimenta a economia dos bairros Dom Antônio Barbosa, Lageado e Parque do Sol. São supermercados, padarias, vendedores ambulantes, bares, lanchonetes e até mesmo bicicletaria que sobrevivem graças às compras feitas pelos catadores. “Aqui o dinheiro se movimenta”, enfatiza o comerciante Sidney Freitas. Dono de um mercado no bairro Dom Antônio, ele considera o lixão essencial para manter a arrecadação do estabelecimento. “Eu posso assegurar que quase todos os meus clientes ou são catadores ou da família de catadores do lixão”, diz. Apesar de não declarar a renda mensal, Freitas acredita que, caso o lixão feche, o comércio da região será afetado e a mesma medida terá de ser adotada pelos comerciantes, “Imagine se fechar o lixão. Estamos todos fritos, com certeza nossa renda cairá em uns 90%”, contabiliza. Medo Os comerciantes temem que o possível fechamento do lixão – em consequência da ativação do aterro sanitário – cause prejuízos e até o fechamento de alguns estabelecimentos, caso os catadores não sejam empregados em outras funções. Loir Vasconcelos, 59 anos, é dono de uma bicicletaria na região e arrecada em média de R$ 1,2 mil com o conserto de câmaras e pneus dos carrinhos de bicicletas. “As pessoas falam que o lixão faz mal. Pode até prejudicar na questão do meio ambiente, mas em outros aspectos, se não fosse o lixão muita gente não teria o que comer”, enfatiza. Ele teme a possibilidade de fechamento do lixão. “Até porque não vai só gente daqui (região próxima) catar, mas também de outros bairros, como Centenário, Aero Rancho e Los Angeles. Tenho certeza de que, se esse pessoal ficar sem o lixo, a criminalidade vai aumentar”, lamenta. A mesma preocupação é do serralheiro Deir Rocha, 46, que credita 80% de seu faturamento ao lixo. “Se não fossem os catadores, nós não teríamos movimento. Aqui na serralheria, eles procuram desde o conserto de carrinhos até a fabricação dos ganchos para a catação”, explica. O gancho vendido a R$ 6 é feito sob encomenda e os carrinhos servem para transportar os bags (sacos) do lixão até os depósitos. Para Rocha, lixo é uma oportunidade de quem não tem estudo ou nem mesmo documento ter um salário digno. “O povo aqui precisa do lixo e nós dependemos dos catadores”.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Panqueca americana de banana <br>é receita para qualquer hora
RÁPIDO E FÁCIL

Panqueca americana de banana é receita para qualquer hora

RENDA FAMILIAR

Informalidade e benefícios respondem por 40% da renda das famílias do País

Prefeitura de Barão de Cocais decreta feriado para treinar população
RISCO DE ROMPIMENTO DE BARRAGEM

Prefeitura de Barão de Cocais decreta feriado para treinar população

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta segunda-feira: "Os abusos do Ministério Público"

Mais Lidas