terça, 17 de julho de 2018

LEITURA

Livro traz 175 perguntas que você deve se fazer antes de dar o sim no altar

9 OUT 2010Por LIVRARIA DA FOLHA 20h:09

Antes de botar o pé no altar, uma última perguntinha: você está mesmo segura de que o príncipe com que vai casar não é nenhum sapo cururu e que a vida ao lado dele tem realmente chances de final feliz? No livro "Antes do sim - tudo o que a mulher precisa avaliar para o casamento" (Ideia&Ação), Adriana Costalunga manda um recado a todas as noivas nervosas do Brasil afora. Ao invés de apostar na velha história de "se não der certo, eu separo", em caso de dúvida, melhor dar marcha-ré enquanto há tempo.

Escrevendo também para jornais sobre a complexidade do relacionamento humano, a autora é categórica. Mais vale pagar um mico agora que enfrentar um divórcio no futuro, com filhos. Para testar o nível de seu relacionamento, ela elaborou 175 perguntinhas difíceis, apresentadas na forma de um teste, que vão dar um parâmetro do que te espera na vida conjugal. Se o seu desconfiômetro está sempre ligado, algumas delas já devem ter passado pela sua cabeça. Por exemplo, no caso do fofucho ter aquele terrível hábito de esquecer sempre a carteira em casa.

Uma doceria britânica está propondo colocar bom humor nos processos de separação judicial elaborando bolos coloridos e apetitosos para as chamadas "festas de divórcio".
Doceria propõe colocar bom humor nos processos de separação judicial com bolos

Péssimo sinal também quando o seu futuro marido faz comentários maldosos, por exemplo, "que aquela sua amiga se parece com uma rolha de poço". Ou ainda, com direito a um sim ou um não como resposta, se ele fala palavrão ou tem mania de apertar suas nádegas em público. Cuidado ainda com o tema da sogrinha. Se ela já deixou claro que você não é a nora que ela gostaria para o filhinho dela, problema a vista. A autora, inclusive, levanta hipóteses para te ajudar a visualizar melhor a situação.

Uma doceria britânica está propondo colocar bom humor nos processos de separação judicial elaborando bolos coloridos e apetitosos para as chamadas "festas de divórcio".
Um noivo chuta uma camada de pão-de-ló, onde está a noiva, sob os dizeres "Enfim livre!"

Nos assuntos delicados, Adriana Costalunga também mete a colher. "O fofo some de vez em quando?", "de uns tempos para cá, ele passou a gritar com você por qualquer coisinha?", "ele já bateu em você alguma vez?". Pois, ela avisa, mulher que sofre com o temperamento do companheiro antes do casamento, vai sofrer muito mais depois. Os filhos também. Portanto, fique atenta para crises de ciúmes, xingamentos no trânsito, agressões verbais e/ou físicas e explosões coléricas. "Um maridinho desse calibre não poupa ninguém", diz.

De olhos bem abertos para a ponta do iceberg. O que hoje é banal, pode ser um problemão mais adiante. E, não se engane: não dá para desentortar a Torre de Pisa. Seu Bijuzinho pode dizer: "é isso que você levou para casa, querida. Agora, vire-se". Mal-casadas, as esposas tornam-se rabugentas, mal-humoradas, depressivas e, muito pior, engordam, "viram verdadeiras barangas". Claro, não existe homem ideal, mas o seu futuro marido deve ser, pelo menos, companheiro, afetuoso e aberto às negociações diárias normais de uma vida a dois.

Leia Também