CAMPO GRANDE

Licitação bilionária do lixo da Capital atrai cerca de dez empresas

Licitação bilionária do lixo da Capital atrai cerca de dez empresas
10/07/2012 00:02 - CELSO BEJARANO E ANAHI ZURUTUZA


Ao menos dez empresas manifestaram interesse em concorrerem ao processo licitatório que vai escolher quem vai administrar a coleta de lixo em Campo Grande, negócio que deve render ao vencedor em torno de R$ 5 milhões mensais. O contrato vale por 25 anos, mas pode ser prorrogado por mais uma década, o que renderá ao vencedor R$ 2,5 bilhões.

A assessoria de imprensa da Prefeitura de Campo Grande nem o prefeito Nelsinho Trad (PMDB) não revelam o número de propostas registradas. Contudo, o Correio do Estado apurou que a licitação é disputada por dez empresas que já cumpriram um ritual do processo, a visita técnica, aquela em que um servidor da Prefeitura acompanha a equipe da empresa para visitar as regiões onde vai funcionar o aterro sanitário, a Usina de Triagem de Resíduos Sólidos Urbanos e onde fica o lixão do município.

Ontem, expirou o prazo para as empresas interessadas marcarem a visita. Nenhum empreendimento agendou visitas ontem à tarde, o que indica que a briga pelo contrato bilionário deve envolver somente uma dezena de interessados. Apesar da previsão de que a licitação atrairia multinacionais e grandes grupos estrangeiros, a reportagem apurou, ainda, que as empresas que fizeram as vistorias têm sede em vários estados do Brasil, mas que não apareceram interessados de outros países. No entanto, muitos grupos estrangeiros, como a Vega Engenharia Ambiental, possuem unidades no País. 

Leia mais no jornal Correio do Estado

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".