Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Crise na Líbia

Líbia declara trégua; EUA pronto para guerra

18 MAR 11 - 13h:47r7

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, disse nesta sexta-feira (18) que o coronel Muammar Gaddafi tem de sair do poder e que os EUA não se impressionarão por palavras, mas esperam atos que honrem o cessar-fogo anunciado. Ela afirmou que, enquanto isso, os EUA continuam seus preparativos com seus parceiros.

O comandante dos rebeldes líbios, Khalifa Heftir, declarou que o cessar-fogo era um blefe de Gaddafi para ganhar tempo.

A chefe da diplomacia da União Europeia, Catherine Ashton, foi mais comedida e disse examinar os detalhes do anúncio de cessar-fogo proposto pelo governo da Líbia, informou o jornal parisiense Le Figaro.

Logo após o anúncio do governo do ditador da Líbia, Muammar Gaddafi, de que desistia das operações militares temporariamente, a rede de TV americana CNN entrevistou um rebelde na cidade de Misrata, ainda em disputa, que disse que os homens leais a Gaddafi continuavam a bombardear a cidade.

A rede de TV Al Arabiya informou que os rebeldes disseram que havia ataques também contra Zintan. As duas cidades citadas estão no oeste do país, mas, ao contrário da CNN, a Arabiya divulgou que não sabia que se os atos ocorreram antes ou depois do cessar-fogo.

O Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas) anunciou na noite desta quinta-feira (17) uma resolução que determina a possibilidade de uso da força para impedir agressões à população civil líbia. O movimento contra Gaddafi, que está há mais de 40 anos no poder, começou de forma pacífica em 15 de fevereiro e se transformou em uma revolta Armanda contra o coronel.

Ação militar pode ocorrer a qualquer momento

Após a decisão do conselho da ONU, vários países que integram a Otan (aliança militar ocidental) ou outras ligas iniciaram os preparativos para ações militares. A resolução, na qual o Brasil ficou neutro, apoia a formação de uma área de exclusão aérea e também o bombardeio de pontos estratégicos.

O Reino Unido e a Dinamarca anunciaram já ter mobilizado sua Força Aérea para ações no país. A Itália informou que cede suas bases no sul do país sem restrições. Até a Turquia, que inicialmente era apontada como reticente a uma possível intervenção na Líbia, informou nesta sexta-feira que apoia a decisão.

A Alemanha, que também se absteve na votação, deve enviar voos para monitorar a situação líbia, de acordo com o jornal parisiense Le Figaro.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Vereadores reprovam aditivo <br>à obra do Reviva Centro
"MUITO CARO"

Vereadores reprovam aditivo
à obra do Reviva Centro

Menino de 11 anos morre em UTI e é a 5º vítima de dengue
DOURADOS

Menino de 11 anos morre em UTI e é a 5º vítima de dengue

POLÍTICA

Bolsonaro se reúne com seis presidentes sul-americanos

Cúpula regional deve formalizar criação do Prosul
Raio mata 21 cabeças de gado no pasto em Aparecida do Taboado
DESCARGA ELÉTRICA

Raio mata 21 cabeças de gado em Aparecida do Taboado

Mais Lidas