Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

'Libertei meu pai', disse filho de Eduardo Coutinho após matar cineasta, afirma polícia

'Libertei meu pai', disse filho de Eduardo Coutinho após matar cineasta, afirma polícia
03/02/2014 12:00 - r7


— Eu libertei meu pai — afirmou, segundo a polícia, Daniel Coutinho, de 41 anos, filho do cineasta Eduardo Coutinho, após o assassinato do cineasta a facadas.

A frase foi relatada por um vizinho a investigadores da Divisão de Homicídios que apuram o caso. Daniel foi autuado em flagrante pelo crime.

— Tentei me libertar, me furei duas vezes e não acontece nada — prosseguiu o rapaz, ainda conforme a polícia, em conversa com o vizinho. Daniel estava ensaguentado e pediu para que o morador chamasse o porteiro.

Segundo a Polícia Civil, o filho do cineasta, que sofre de problemas mentais e falava palavras desconexas, teria tentado se matar após cometer o crime. Daniel deve permanecer detido ao receber alta do hospital Miguel Couto.

Coutinho, de 81 anos, foi assassinado a facadas neste domingo (2) dentro de sua casa, no bairro da Lagoa, zona sul do Rio de Janeiro. A mulher dele, Maria das Dores Coutinho, de 62 anos, também foi ferida e está internada em estado grave no mesmo hospital do filho. Daniel tem o quadro estável.

Velório

O velório de Coutinho deve começar às 11h de segunda-feira, na Capela 3 do Cemitério São João Batista. O sepultamento está previsto para as 16h.

Coutinho era considerado um dos maiores documentaristas do Brasil. Entre seus trabalhos de maior destaque estão Cabra Marcado para Morrer, Edifício Master, Jogo de Cena e Babilônia 2000. Em 2007, o cineasta ganhou um Kikito de Cristal, principal premiação do cinema brasileiro, pelo conjunto da obra. Seu último documentário, As Canções, foi lançado em 2011 e foi o 12º longa-metragem dirigido por ele.

Felpuda


Espalhar notícias ruins tornou-se muito mais rápido com o uso da tecnologia, e, além disso, não se trata mais de ações dos adversários. Isso é o que pôde ser visto ultimamente, quando a tchurminha do “aliado” tratou de deixar muita gente informada sobre o que a chamada "grande imprensa” tinha publicado, enviando notícias pelo WhatsApp e postando nas mídias sociais. E assim caminha a humanidade...