Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

'Líbano', de Samuel Maoz, conquista Leão de Ouro em Veneza

'Líbano', de Samuel Maoz, conquista Leão de Ouro em Veneza
12/09/2009 17:37 -


     

        Da redação

        'Líbano', do israelense Samuel Maoz, venceu o Leão de Ouro em Veneza, um dos principais prêmios do cinema mundial. O filme mostra a dura realidade da segunda guerra do Líbano, tendo por ponto de vista quase único o interior de um tanque, no qual quatro soldados vivem seus dramas em contato com a violência. O filme era mesmo o favorito para vencer o prêmio principal. O Leão de Prata ficou com o iraniano Zanan Bedoone Mardan, que foi traduzido como Mulheres sem Homens e revela a dura realidade das mulheres no Irã, num filme histórico que evoca os anos 50, durante o regime do Xá. O Prêmio Especial do Júri foi para o divertido Soul Kitchen, do alemão de origem turca Fatih Akin, história de um rapaz que mantém um restaurante charmoso e precisa mantê-lo a qualquer custo.

        

        O prêmio de melhor ator foi para Colin Firth, em A Single Man, drama dirigido pelo estilista Tom Ford em sua primeira experiência no cinema. Trata-se da história de um homem que perde seu parceiro de 16 anos e não encontra rumo na vida. O filme foi aplaudido e consagrado pelo público e mesmo pelos jornalistas. Mas também houve contestações para a sua forma estilosa, com os atores vestindo roupas de grife em todas as situações. Se alguma unanimidade havia era quanto à interpretação de Colin, que realmente mereceu o prêmio.

        

        Mais contestado foi o prêmio de melhor atriz, para Ksenia Rappoport em La Doppia Ora, um dos quatro filmes italianos em concurso. Pelo jeito era a maneira de premiar um italiano, que, nos últimos anos, prometem chegar à vitória mas sempre passam longe do Leão. Desta vez não foi diferente e o prêmio de atriz parece ter servido de consolação. O mesmo pode ser dito para o prêmio de revelação para Jasmine Trinca, em Il Grande Sogno, de Michele Placido, que evoca o ano rebelde de 1968 na Itália.

        As outras premiações podem ser consideradas normais, como a Osella para melhor contribuição técnica para Sylvie Olivé pela cenografia de Mr. Nobody; e a Osella de melhor roteiro para Todd Solondz de Life During Wartime.

        Há algumas ausências na premiação, a principal delas, o impactante Lola, do filipino Brillante Mendoza, que aliás ganhará uma retrospectiva bastante completa em São Paulo no próximo festival de cinema independente. Lola, que quer dizer "avó", conta a história dramática de duas senhoras de idade que, além da pobrez, têm um ponto em comum. São unidas por um crime, que o neto de uma delas cometeu e o neto de outra foi a vítima. A originalidade e o impacto mereciam uma lembrança melhor.

        Por último, cabe lembrar que os brasileiros Viajo porque Preciso, Volto porque te Amo e Insolação, que haviam participado da mostra Horizontes (Orizzonti) não foram premiados. Mas o fato de terem sido exibidos no quadro de um festival importante como Veneza já é digno de nota. Abaixo, a premiação completa da 66ª Mostra Internazionale d'Arte Cinematografica, que é o nome oficial do Festival de Veneza, o mais antigo do mundo. (informações do Estadão)

Felpuda


As pré-candidaturas bizarras estão se espalhando nas redes sociais, nos perfis de quem acredita que esse tipo de “campanha eleitoral” poderá resultar em votos e até levar à conquista de uma vaga na Câmara Municipal de Campo Grande. Se antes isso era visto apenas no horário eleitoral na TV, agora está se espalhado como erva daninha nas redes. Como diria vovó: “Esse povo ainda se acha!” Afe!