Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

MENSALÃO

Lewandowski determina análise de pedido de trabalho de Dirceu

Lewandowski determina análise de pedido de trabalho de Dirceu
29/01/2014 18:30 - FOLHA PRESS


O ministro Ricardo Lewandowski, presidente em exercício do STF (Supremo Tribunal Federal), acatou pedido da defesa do ex-ministro José Dirceu e determinou que a Vara de Execuções Penais do Distrito Federal analise o pedido de trabalho externo de seu cliente.

A suspensão da análise de benefícios como a concessão de trabalho externo havia sido determinada pela Vara de Execuções na última sexta-feira, quando ela decidiu que fossem refeitas as investigações sobre o uso de um celular por Dirceu no começo do ano.

O secretário da Indústria, Comércio e Mineração da Bahia, James Correia, disse que conversou com Dirceu ao telefone no dia 6 de janeiro. Posteriormente, ele disse que a conversa não existiu.

Em sua decisão, Lewandowski diz que a suspensão da análise do pedido de trabalho de Dirceu não poderia acontecer, uma vez que a própria direção do presídio da Papuda informou que não era possível provar a existência da ligação.

"Ora, os elementos de prova à disposição do magistrado da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, em 24/1/2014, como se vê, davam conta de que os setores competentes do sistema prisional, concluíram, à unanimidade, após procederem às devidas investigações, que os fatos imputados ao sentenciado não existiram", diz trecho da decisão de Lewandowski.

Com a determinação do ministro, a Vara de Execuções pode ainda nesta semana se manifestar sobre o pedido de trabalho externo de Dirceu, que recebeu oferta para trabalhar na biblioteca do escritório de advocacia de José Gerardo Grossi. 

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?