CANDIDATOS PRESIDÊNCIA

Levy Fidelix

Levy Fidelix
09/09/2010 10:51 - Carolina Pimentel Repórter da Agência Brasil


Apresentador de televisão, professor universitário e publicitário, o mineiro Levy Fidelix parte para sua décima segunda disputa eleitoral. Pela segunda vez, é candidato à Presidência da República pelo Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB), do qual é um dos fundadores.

Antes de criar o PRTB (1992 a 1994), Fidelix participou da fundação do Partido Liberal (PL), em 1986, quando se lançou na carreira política - disputou uma vaga na Câmara dos Deputados pelo estado de São Paulo. Depois, migrou para o Partido Trabalhista Renovador (PTR), onde também concorreu a um mandato de deputado federal, no início dos anos 90.

Uma das marcas das campanhas de Fidelix é o aerotrem, apontado como solução para desafogar o trânsito nas principais capitais brasileiras. De acordo com o projeto do candidato, o veículo, semelhante a um metrô de superfície, seria movido por condutores magnéticos. Nos programas, Fidelix se apresenta como o “homem do aerotrem”.

Em seu programa de governo, o candidato apresenta dez propostas, entre elas, a que prevê que toda criança, assim que nascer, tenha uma caderneta de poupança no valor de quatro salários mínimos que seria resgatada quando o beneficiado completasse 21 anos de idade. Outros projetos são de destinar parte dos recursos com a exploração do petróleo do pré-sal para o serviço obrigatório dentário, a informatização do ensino, a criação de um banco para financiar jovens recém-formados - por exemplo, na abertura de um escritório de advocacia ou de uma empresa de engenharia -, e construção de presídios de segurança máxima em ilhas e navios.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".