domingo, 15 de julho de 2018

VÔLEI

Lesão incrementa a má fase de Giba no vôlei

26 JAN 2011Por FOLHA ONLINE07h:18

A lesão no tornozelo direito, sofrida na última segunda-feira, é o último episódio do inferno astral que vive o atacante Giba desde sua volta ao Brasil, no segundo semestre de 2009.

O jogador de 34 anos se machucou durante a derrota para o Sesi (3 sets a 1) pela Superliga. Segundo a previsão dos médicos do Pinheiros, seu time, o atacante deverá ficar no mínimo três semanas longe das quadras.

Há quase um ano e cinco meses, Giba retornou ao vôlei brasileiro com o status de melhor jogador do mundo. Era o principal astro do Pinheiros, que investiu R$ 15 milhões e recheou seu elenco com quatro atletas da seleção -além do atacante, Gustavo, Rodrigão e Marcelinho.

Mas, desde então, o time e o atacante somam fracassos. Enquanto a equipe não ganhou nenhum título e, recentemente, foi alvo de polêmica por reformular seu elenco, Giba foi alvo de diversas contusões e se tornou reserva na seleção brasileira.

Após os insucessos na Superliga 2009/2010 e em outras disputas, como o Campeonato Paulista do ano passado, o clube demitiu, no final de dezembro, dois jogadores campeões mundiais. Deixaram a equipe o levantador Marcelinho e o meio de rede Rodrigão, que saiu do Pinheiros dizendo que o clube errou ao montar um elenco de "galácticos"'.

Giba, maior salário do time, permaneceu, mas está longe de ser destaque da atual Superliga, na qual o Pinheiros está em quarto lugar. O atacante é somente o décimo colocado no ranking dos dez atletas mais eficazes em saques e ataques. E está fora da relação dos dez maiores pontuadores do torneio.

Além disso, Giba teve de conviver com diversos problemas físicos desde o final de 2009, o que o levou de protagonista a coadjuvante na seleção de Bernardinho. O atacante assistiu do banco à fase final da Liga Mundial e a grande parte da campanha que deu ao Brasil o tricampeonato do Mundial.

Enquanto isso, seu concorrente de posição na seleção, Murilo, foi o melhor jogador das duas competições. Mas, mesmo longe de sua melhor fase, Giba é considerado pelo Pinheiros o principal jogador do time.

"O Giba treina como se fosse um garoto que busca uma vaga na seleção, motiva os companheiros e a comissão técnica, tem uma vida regrada e é um exemplo para o grupo", disse o diretor de esportes coletivos do Pinheiros, João Fernando Rossi.

"Como questionar o investimento em um atleta como este?'', acrescentou ele.

O investimento tem valido a pena, diz Rossi. "O Giba dá um retorno de imagem gigante ao Pinheiros e à SKY [patrocinadora do time].''

Aposentadoria

O contrato de Giba com o Pinheiros vai até o final da temporada 2011/2012. O atacante já afirmou que pretende deixar as quadras depois dos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012.

"Mas adoraríamos que ele mudasse de ideia'', declarou João Fernando Rossi, dirigente do clube.

Leia Também