Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

POLÍTICA

Lei Eleitoral afasta candidatos da solenidade com o presidente

Lei Eleitoral afasta candidatos da solenidade com o presidente
25/08/2010 05:32 -


Fernanda Brigatti, Redação e
Cícero Faria, Dourados

A proibição a candidatos de participar da inauguração de obras públicas esvaziou os palanques montados ontem em Dourados e Campo Grande para receber o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e os ministros Fernando Haddad, da Educação, Paulo Sérgio Passo, dos Transportes, Marcio Fortes, das Cidades, e Alexandre Padilha, das Relações Institucionais. As solenidades de inauguração do anel rodoviário, das obras da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) e da urbanização do Córrego Cabaça, em Campo Grande, foram acompanhadas por poucos políticos.
No aeroporto, em Dourados, Lula foi recebido pelo ex-governador José Orcírio dos Santos (PT) e pelos candidatos ao Senado da coligação A Força do Povo, Delcídio do Amaral (PT) e Dagoberto Nogueira (PDT), a suplente Gilda Maria dos Santos (PT) e outros candidatos, como João Grandão e Laerte Tetila, ambos do PT de Dourados.
Mas nenhum deles, nem mesmo Orcírio ou o governador André Puccinelli (PMDB), ambos candidatos ao governo de Mato Grosso do Sul, apareceram nas inaugurações de obras da Universidade, da BR-163 ou do Cabaça. E os políticos locais acompanharam a visita pelo rádio.
A legislação proíbe candidatos a comparecer, nos três meses que precedem o pleito, em inaugurações de obras públicas, sob pena de cassação do registro ou do diploma.
Assim, políticos que não concorrem nas eleições deste ano como o prefeito de Dourados, Ari Artuzi (PDT), o vice Carlinhos Cantor (PR) e o senador Valter Pereira (PMDB), esse último coordenador da campanha de Dilma Rousseff (PT) no Estado, estiveram no palanque com Lula. Em Campo Grande, apenas os ministros, o prefeito Nelsinho Trad (PMDB) e o presidente da Câmara Municipal, vereador Paulo Siufi (PMDB), dividiram o palanque com o presidente da República em sua agenda institucional.

Felpuda


Mensagens trocadas por aí mostram que deverá “virar moda” políticos anunciarem que testaram positivo para a Covid-19. E sem medo de dizer que isso é porque o presidente Jair Bolsonaro anunciou ter sido infectado, e aí essa tchurminha estaria interessada também em ganhar holofotes. Porém, ressaltam que, como não se pode duvidar de coisa séria, o jeito é desejar “restabelecimento”. E não deixam de lembrar que o risco é a população descobrir que não fazem a menor falta. Essa gente...