Domingo, 25 de Fevereiro de 2018

abuso

Lavrador do Maranhão é condenado a 63 anos por abusar de duas filhas

23 DEZ 2010Por AGÊNCIA ESTADO, SÃO LUÍS03h:45

O lavrador José Agostinho Bispo Pereira, de 55 anos, foi condenado a 63 anos de prisão por ter abusado sexualmente de suas duas filhas na cidade de Pinheiro, distante 340 quilômetros de São Luís, no Maranhão. Ele teve oito crianças com as suas duas filhas.

A prisão foi decretada pelo juiz da 1ª Vara de Direito de Pinheiro, Anderson Sobral Dias Azevedo. O magistrado também condenou Agostinho por ter abusado sexualmente de suas filhas-netas. Uma de 5 e outra de 6 anos. Ainda há possibilidade de recurso. Porém, o defensor público nomeado para cuidar da defesa do lavrador afirmou à delegada de Pinheiro, Laura Barbosa, no entanto, que não pedirá a revisão da pena de Agostinho.

Agostinho foi preso em flagrante na tarde de 8 de junho. Uma das filhas, Sandra Maria Monteiro, de 28 anos, era mantida em cativeiro por 16 anos. Com ela, o lavrador teve sete filhos. Após a prisão do pai, Sandra Maria foi alojada na Casa Abrigo de Pinheiro e ainda espera a construção de um imóvel prometido pela prefeitura. A outra filha de Agostinho, Maria Sandra Monteiro, de 31 anos, fugiu do povoado quando começou a ser abusada pelo pai há cerca de 20 anos. Maria Sandra começou a ser abusada com 7 anos. Sandra Maria, com 13.

Conforme informações da delegada Laura Barbosa, Agostinho já recebeu uma carta da Justiça de Pinheiro, mas ele acredita que ficará apenas 14 anos preso. A delegada ainda não conversou com o lavrador sobre a condenação por medo da reação. Em junho, após a decretação de sua prisão preventiva, ele tentou suicídio.

Desde junho, Agostinho é mantido na delegacia de Pinheiro junto com outros presos. Ele deve ser transferido para o Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís, no início de 2011. "Pela idade dele, acredito que ele ficará preso até os 75 anos. Muito provavelmente, o lavrador morrerá na prisão", afirmou a delegada Laura.

Leia Também