Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Ladrões invadem casa de desembargador

28 JUL 10 - 05h:16
karine cortez e vânya santos

Três dias depois de ser criada a Comissão Permanente de Segurança Institucional, destinada a cuidar da integridade de juizes e servidores do Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul, o vice-presidente do Tribunal de Justiça, desembargador João Batista da Costa Marques, 66 anos, foi vítima de assalto. Na noite de segunda-feira (26), por volta das 20h, cerca de três homens armados invadiram a sua residência, situada no Jardim Autonomista, em Campo Grande.
Além de agredir João Batista, os ladrões ainda roubaram um relógio da marca Rolex, um notebook, cerca de R$ 8 mil e uma pistola ponto 40.  
De acordo com informações repassadas por amigos do desembargador, os bandidos estavam em um carro, renderam o vigia do imóvel e ao entrarem na residência acabaram agredindo João Batista, que ficou bastante machucado e em estado de choque. Apesar do depoimento de amigos, a assessoria de comunicação do Tribunal negou que o magistrado tenha sido agredido.
Informações extraoficiais dão conta de que o segurança particular também foi agredido quando tentou reagir com uma faca. Há suspeita de que os assaltantes não sabiam que se tratava da residência do vice-presidente do Tribunal de Justiça.
João Batista estava sozinho no imóvel, onde mora com a esposa, que se encontrava viajando. O boletim de ocorrência sobre o assalto não foi disponibilizado para a imprensa e a Polícia Civil informou que a investigação está sob sigilo e, por isso, não se pronunciará sobre o assunto.
De acordo com a Delegacia de Repressão ao Tráfico de Armas, da Polícia Federal, o porte de uma pistola ponto 40, mesmo calibre encontrado na casa do desembargador, pode ser concedido apenas para magistrados, auditores da Receita Federal e policiais.

Comissão
Por meio da assessoria de comunicação, o Tribunal de Justiça informou que a Comissão Permanente de Segurança Institucional só atuará quando o profissional do órgão estiver em risco em decorrência do exercício de sua função. E, de acordo com o departamento, o assalto ocorrido na residência do magistrado trata-se de um crime contra o cidadão João Batista e não contra o desembargador e vice-presidente do TJ.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Felpuda

BRASIL

Envolvimento de agentes de saúde pode acelerar diagnóstico de câncer

BRASIL

Tratamento para doenças raras precisa de investimentos em pesquisa

BRASIL

Motorista embriagado invade lanchonete, atropela 4 e mata jovem

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião