EDUCAÇÃO

Kits escolares custarão metade do preço previsto

Kits escolares custarão metade do preço previsto
21/01/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


Com mais de 30 concorrentes, a empresa curitibana Brink Mobil Equipamentos Educacionais Ltda foi a que apresentou o menor preço para a venda de 89 mil kits escolares para a Prefeitura de Campo Grande. Na fase de lances, a empresa apresentou uma proposta de R$ 2.292.800,00. O désagio em relação ao teto máximo estimado pela prefeitura - R$ 4,7 milhões - é de 51%. No ano passado, a prefeitura havia gasto R$ 2,65 milhões com a compra de kits escolares, segundo reportagem na edição de hoje (21) do jornal Correio do Estado.

A abertura dos envelopes ocorreu na tarde de ontem, na Central de Compras (Cecom), mas a empresa ainda precisa ter as amostras aprovadas e ser habilitada antes de ser declarada vencedora do certame. As amostras dos produtos dos kits ocorre na quinta-feira, quando a comissão de licitação também deve ser decidido se a empresa paranaense será habilitada ou não.

Ao todo, 38 empresas tiveram as propostas abertas pela comissão de licitação. Destas, três foram desabilitadas por não apresentarem a declaração de garantia dos produtos a serem entregues. Uma quarta empresa chegou a assegurar a garantia, mas não estabeleceu por quanto tempo ela perduraria. Entre as empresas participantes, a garantia variou de seis a 12 meses. A reportagem é de Patrícia Belarmino.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".