Segunda, 11 de Dezembro de 2017

argentina

Kirchner ordena importação de tomates do Brasil

9 JAN 2014Por istoedinheiro09h:30

A presidente Cristina Kirchner ordenou ao ministro da Economia, Axel Kicillof, que implemente a importação de tomates do Brasil. O anúncio foi realizado pelo chefe do gabinete de ministros, Jorge Capitanich. Segundo ele, a compra tem o objetivo de "garantir o abastecimento" do produto, já que há riscos de escassez por problemas climáticos nos próximos dez dias.

Além disso, o governo Kirchner está preocupado em manter o novo congelamento de preços, iniciado na segunda-feira, sem sobressaltos. "Se possível, queremos os tomates (do Brasil) a preços inferiores aos do mercado, o que seria muito melhor", disse Capitanich.

O preço do quilo do tomate nas quitandas está 10,50 pesos (RS$ 3,80) em média na capital do país. Capitanich disse que o objetivo são os "preços protegidos". O Mercado Central da República Argentina será o encarregado da importação.

Capitanich informou ainda que o governo Kirchner poderia decidir nos próximos dias a importação de outros produtos alimentícios com objetivo de combater a eventual alta de preços de seus similares nacionais.

A decisão implica uma guinada na política protecionista dos últimos cinco anos, ao longo dos quais a administração Kirchner privilegiou os produtores nacionais, mesmo que isso provocasse alta da inflação, cuja existência - paradoxalmente - o governo nega.

Congelamento. O governo Kirchner deu início ao terceiro congelamento de preços em menos de um ano. O primeiro, lançado em fevereiro do ano passado, abrangendo 12,5 mil produtos, fracassou em meados do ano e foi substituído por uma versão menor, de 500 produtos.

Na ocasião, a presidente Cristina anunciou que o novo congelamento contaria com a fiscalização rigorosa de milhares de militantes de organizações kirchneristas em todo o país. Esses militantes, no plano original, entrariam nos supermercados para verificar quais empresários estavam "traindo a pátria" ao remarcar preços. No entanto, esse congelamento preços também fracassou.

O novo congelamento, mais modesto, abrange 194 produtos da cesta básica e está sendo aplicado somente nas redes de supermercados da capital e nos municípios da Grande Buenos Aires, onde reside um terço da população do país.

Segundo o ministro da Economia, Axel Kicillof, o congelamento será revisado a cada três meses. O ministro, porém, usa a expressão "acordo de preços" e também não fala em inflação, citada como "dispersão de preços".

Leia Também