AÇÃO

Justiça Restaurativa leva a conciliação para as escolas

Justiça Restaurativa leva a conciliação para as escolas
15/08/2012 00:00 - DANIELLA ARRUDA


Ajudar na solução de conflitos dentro das escolas, contribuindo para pacificar as relações entre as partes envolvidas (colegas de classe, alunos e professores) e principalmente evitar que situações como brigas e ofensas e outras situações se agravem, transformando-se em processos judiciais. Esses são os principais objetivos do Projeto “Justiça Restaurativa nas Escolas”, que começa a ser desenvolvido na rede estadual de ensino de Mato Grosso do Sul a partir do próximo mês, atendendo, inicialmente, três escolas de Campo Grande.

Fruto de parceria entre o Tribunal de Justiça de MS e a Secretaria de Estado de Educação, o projeto tem como diferencial a resolução de conflitos de forma extrajudicial, com a participação efetiva dos envolvidos no problema e de outros membros da comunidade. Uma das premissas da Justiça Restaurativa, que teve origem na Austrália e hoje é adotada por pelo menos quatro estados brasileiros, entre eles Mato Grosso do Sul, é justamente substituir a punição do infrator pela restauração da relação entre as partes.

Leia mais no jornal Correio do Estado
 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".