Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TJ-MS

Justiça mantém prisão de acusado de roubar Bíblia e guampa de tereré

Justiça mantém prisão de acusado de roubar Bíblia e guampa de tereré
20/01/2014 14:30 - DA REDAÇÃO


Os desembargadores da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ-MS) negaram, por unanimidade, o pedido de habeas corpus impetrado por um homem, preso desde 21 de agosto de 2013, acusado de praticar furto e falsa identidade.

Pedido anterior de liminar já havia sido negado pelo TJ-MS. Isso porque ficaram comprovados os requisitos necessários para manter a prisão cautelar – de prevenção, do réu.

Consta dos autos que a Polícia Militar conseguiu efetuar a prisão do suspeito graças à denúncia de testemunha. A vítima relatou que, ao chegar em casa, percebeu que a janela estava arrombada e o local muito bagunçado.

Entre os itens dos quais a vítima sentiu falta estavam uma bíblia, uma bomba hidráulica, uma guampa de tereré e cinco cartões de crédito. O acusado, ao ser preso, mentiu sobre sua identidade, dando à polícia o nome do irmão.

Ao pedir a liberdade provisória, a defesa alegou constrangimento ilegal por excesso de prazo, sob o argumento de que a audiência de instrução e julgamento fora marcada apenas para janeiro deste ano, quando o réu estará preso há quase cinco meses.

Ao negar o pedido, o desembargador Dorival Moreira dos Santos, relator do processo, justificou: “não há constrangimento ilegal por excesso de prazo, tendo em vista que o feito aguarda a realização da audiência e instrução e julgamento, que será realizada em data próxima”. 

Felpuda


Tudo indica que o MDB não conseguiu convencer o PSDB de iniciar namoro com vistas a casamento nas eleições, e a ideia teria sido descartada. Os tucanos demonstraram que o problema deles não é o cargo: os emedebistas ofereceram a vaga de vice na disputa à Prefeitura de Campo Grande, a mesma cobiçada pelos tucanos, mas na chapa do PSB do atual prefeito. A questão, politicamente falando, seria, digamos, o oferecido “noivo”. Afe!