ECONOMIA

Justiça impede frigorífico de movimentar R$ 7,8 mi

Justiça impede frigorífico de movimentar R$ 7,8 mi
05/08/2010 07:32 -


Cícero Faria, Dourados

Em recuperação judicial desde o final de junho, por causa de dívidas em torno de R$ 20 milhões, o frigorífico Fribrasil Alimentos, de Caarapó, foi impedido pelo Tribunal de Justiça de fazer a transferência de R$ 7,8 milhões de três agências bancárias.
A autorização havia sido dada pelo juiz da 2ª Vara de Caarapó, Fernando Chemin Curi, que havia aprovado o pedido de recuperação judicial da indústria, que abatia 500 cabeças de bovinos por dia. O Grupo Fribrasil está construindo uma planta industrial de suínos em Marechal Cândido Rondon, no Paraná.  
Os advogados das instituições financeiras (Bradesco, Safra e Itaú/Unibanco) recorreram da decisão, tendo o desembargador Luiz Carlos Santini, relator do processo, suspendido o pagamento para avaliar melhor a pretensão do Fribrasil e o uso alegado do dinheiro.
Na semana passada, o juiz havia autorizado o Bradesco a liberar ao frigorífico a importância de R$ 2.302.363; ao Itaú/Unibanco mais R$ 2.842.973 e que o banco Safra aceitasse o saque de R$ 2.698.480, totalizando R$ 7.843.816.
O advogado que representa o frigorífico, Eduardo Henrique Vieira Barros, disse à imprensa que os bancos não podem reter os recursos porque são parte do plano de recuperação. “Temos mil credores, uma dívida de R$ 20 milhões. Os bancos querem ficar com o dinheiro para receber primeiro que todos, isso não é legal”, argumentou.
Já o advogado Renato Chagas, que defende os bancos Safra e Itaú/Unibanco, estranhou a rapidez com que a Justiça em Caarapó autorizou os saques.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".