BIG BROTHER

Justiça aprova projeto e Capital vai ter 28 câmeras no centro

Justiça aprova projeto e Capital vai ter 28 câmeras no centro
02/08/2012 08:00 - DA REDAÇÃO


Campo Grande foi uma das 29 cidades brasileiras (entre 153 cadastradas) que tiveram o projeto aprovado e receberão recursos do Ministério da Justiça para implantação de câmeras de videomonitoramento na área central, logradouros públicos (como as Orlas Morena e Ferroviária), entorno da Santa Casa, Feira Central e nas saídas para Cuiabá e São Paulo. Está prevista a liberação de R$ 1,1 milhão para compra e instalação dos equipamentos, além da central que funcionará num prédio anexo ao Instituto Municipal de Tecnologia da Informação (IMTI).

Nesta etapa, serão instaladas 28 câmeras no quadrilátero formado pelas ruas 26 de Agosto; Rui Barbosa, 14 de Julho e 13 de Maio, além das avenidas Mato Grosso e Calógeras. Com o recurso do zoom, por exemplo, uma câmera instalada na esquina das ruas 14 de Julho e Antonio Maria Coelho, permitirá observar o que ocorre quatro quadras adiante, até o cruzamento com a avenida Afonso Pena.

Haverá monitoramento na quadra em que está localizada a Santa Casa (Mato Grosso/Rui Barbosa/Eduardo Santos Pereira/13 de Maio) e nas proximidades da feirona. “Vamos trabalhar em parceria com a Polícia Militar, o Corpo de Bombeiros e a Companhia de Trânsito. O objetivo é uma ação articulada para prevenir e reduzir a violência", comenta o prefeito Nelsinho Trad.

Segundo ele, o projeto será complementado com a Central de Monitoramento de Trânsito que funcionará nas antigas instalações da Agência Municipal de Transporte e Trânsito. 

(Com informações do CG Notícias)

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".