Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Juro rende 10 vezes mais ao banco do que para poupador

10 AGO 10 - 04h:31
VERA HALFEN

O consumidor que faz empréstimo de R$ 1 mil em banco ou instituição financeira, pelo período de um ano, vai devolver mais de 60% do valor que retirou do banco. Por outro lado, se colocar o mesmo valor em caderneta de poupança, por exemplo, o rendimento não ultrapassa 6,5%, ao ano. Em valores, o financiamento de R$ 1 mil passa para R$ 1.633,97, enquanto a poupança fica em R$ 1.065,83. A diferença, em valores, entre o que o banco paga para remunerar o dinheiro do depositante e o que cobra para emprestar, é de quase dez vezes mais.
Em uma comparação prática, de acordo com cálculos elaborados pelo economista Sérgio Bastos, as diferenças de aplicações e empréstimos entre os bancos A e B, são relevantes. Uma aplicação financeira de R$ 1 mil em 12 meses, no período de 1º de julho de 2009 a 30 de junho de 2010, apresentaria rendimento de R$ 65,83, se aplicado em caderneta de poupança, e R$ 147,78 se aplicado em fundos de investimento. “Caso o cidadão precise emprestar este mesmo valor do banco, na modalidade crédito pessoal pagará, no período de um ano, o valor de R$ 1.331,95 para o banco A e R$ 1.633,97 para o banco B.
A disparidade deve-se às taxas de juros. Enquanto os juros para financiamento variam entre 2,4% e 4,4%, a poupança (junho) remunera 0,60% em média. A diferença entre os juros que a instituição cobra e o que ela paga pelo dinheiro que arrecada, é significativa. Esta é uma polêmica que vem se arrastando há vários anos. Por mais que o Banco Central procure reduzir o spread bancário, parece não estar surtindo efeito.
Para Bastos, a variação das taxas de juros entre as financeiras é outro ponto a ser considerado. “No período pesquisado de julho de 2009 a junho deste ano, o custo de captação de recursos pelos bancos – basicamente quanto o banco paga pelo recurso emprestado, por meio de aplicações financeiras – principalmente caderneta de poupança e fundos de investimento, tiveram as máximas de 0,6056% em julho do ano passado (poupança) e 0,75% em junho de 2010. Esta remuneração ao mês contrasta bastante com as taxas de juros para empréstimos pelos bancos”, explica.
De acordo com o Banco Central do Brasil, em 31 de julho deste ano, as taxas de juros de empréstimos a pessoas físicas – crédito pessoal prefixado (incluindo crédito consignado), apresentavam discrepância relevante, pois haviam bancos e financeiras que emprestavam por taxas de 1,16% a 25,55% ao mês. “De fato uma grande diferença entre as instituições financeiras”, observa o economista.

Spread
Spread é a diferença entre o quanto os bancos e instituições financeiras pagam de juros aos clientes que fazem aplicações e o índice dessas taxas cobradas por eles dos clientes que tomam dinheiro emprestado. Quanto maior o spread bancário, maior é o lucro que os bancos têm nas operações de crédito. É por conta disso que o spread bancário brasileiro, um dos mais altos do mundo, é criticado por economistas independentes, líderes sindicais, empresários e pelo governo – o dinheiro que poderia estar movimentando a economia é “engolido” pelos bancos.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Felpuda

BRASIL

Envolvimento de agentes de saúde pode acelerar diagnóstico de câncer

BRASIL

Tratamento para doenças raras precisa de investimentos em pesquisa

BRASIL

Motorista embriagado invade lanchonete, atropela 4 e mata jovem

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião