Domingo, 17 de Dezembro de 2017

60 anos de casados

Juntos até o fim: marido e mulher morrem de mãos dadas

20 FEV 2014Por Da redação20h:39

Floreen e Ed Hale têm sido inseparáveis por seis décadas. Nem mesmo a morte poderia separar o casal, que morreu de mãos dadas em um pequeno intervalo de tempo.

Segundo o jornal Daily Mail, no dia 7 de fevereiro, a senhora Floreen, 82 anos, faleceu em um hospital em Nova Iorque, com seu marido, Ed Hale, gravemente doente deitado ao lado dela e segurando sua mão até o fim. Apenas 36 horas depois, ele morreu aos 83 anos.

'Ele foi um cavalheiro até o fim, esperando por ela para ir em primeiro lugar' diz a filha do casal, Renee Hirsh.

O senhor Ed estava internado há um mês, com insuficiência renal. Em 4 de fevereiro, a esposa dele foi levada para um hospital a 56 quilômetros de distância.

O homem de 83 anos estava inicialmente muito fraco para ser transportado de ambulância para estar com sua esposa, mas a pedido da família, os dois hospitais trabalharam em conjunto para reunir os cônjuges em seus últimos dias.

Companheirismo
A história de amor dos dois começou há mais de 60 anos, quando eles se encontraram em uma festa.

Quando o jovem engenheiro foi pedir a mão da amada, ele foi surpreendido com uma resposta negativa dos pais dela, pois a jovem estava se recuperando de um acidente de carro horrível, que ceifou a vida de seu primeiro marido, com quem ela havia se casado apenas três meses antes.

Mas Ed estava determinado a ficar com Floreen e não aceitaria "não" como resposta, declarando a seus futuros sogros que ele estava disposto a levar sua amada em seus braços todos os dias.

O casal disse “sim” em 12 de maio de 1953, e estabeleceu-se em Batavia, Nova Iorque, em uma casa projetada pelo próprio Ed. O casal tinha dois filhos, Renee e Ricky. Um terceiro bebê morreu na infância.

A alegria de Ed na vida era mimar sua esposa com pequenos sinais de afeto diariamente. Numa época em que ela trabalhava como telefonista em um hospital local, Ed levava a Floreen seu jantar e sobremesa todos os dias.

Ed fazia a maioria das compras de supermercado para a casa, e cada vez que ele ia a uma loja, ele pegava algum doce ou flores para sua amada.

Quando a família e os amigos de Floreen perguntavam-lhe o que faria sem o marido, Floreen respondia que não suportaria vê-lo morrer antes dela.

Porém, há cinco anos, Ed Hale foi diagnosticado com doença renal, exigindo tratamentos regulares. Ele também sofreu vários ataques cardíacos e tinha diabetes, mas isso não o impediu de sair com a sua esposa para passear quase todos os dias.

A senhora Hale também teve uma longa lista de doenças, de asma à doença cardíaca. Ainda assim, ela se arrumava para ir ao médico, com Ed sempre ao seu lado.

O estado de saúde de Floreen piorou e, no início deste mês, com os pulmões cheios de líquido, ela foi internada em estado grave em um hospital.

Ao mesmo tempo, seu marido estava em outro hospital a cerca de 56 km de distância com insuficiência renal.

"Nos foram entregues duas sentenças de morte", diz a irmã de Floreen, Marlene DeCarlo.

O homem de 83 anos estava semi-consciente e parecia estar à beira da morte, mas dois dias após a internação de sua esposa, Ed acordou e disse à filha: 'Preciso ver Floreen'.

O que se seguiu depois foi uma série de negociações entre os hospitais em Rochester e Batavia, ajudada por um assistente social cujo trabalho era convencer os Estados a admitir o senhor Hale.

O hospital em Batavia concordou em aceitar o paciente morrer, mas apenas se ele fosse forte o suficiente para fazer a viagem de 56 quilômetros.

Como que por milagre, Ed reuniu forças suficientes para a curta viagem de ambulância, chegando ao hospital da amada na tarde de 6 de fevereiro. Seu único pedido foi para ver Floreen.

O hospital preparou um quarto para o casal, duas camas de onde foram empurrados juntos para que eles pudessem estar próximos um do outro e de mãos dadas como Floreen faleceu.

A mulher de 82 anos, foi declarado morta na manhã após a chegada de Ed, cercada por dezenas de amigos e familiares. O marido seguiu-a um dia depois.

'Eu acho que teria sido mais doloroso ver um sem o outro", disse a sobrinha do casal, Lisa Giattino. "Eu acho que foi tão bonito do jeito que aconteceu'.

O casal teve um funeral conjunto na última quinta-feira - véspera do Dia dos Namorados nos Estados Unidos - na Igreja Católica de Santa Maria, em Batavia, onde os amigos, família e equipe médica se reuniram para celebrar o verdadeiro amor. 

Leia Também