Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 14 de novembro de 2018

CENSURA

Juíza volta a barrar pesquisa;
ex-juiz diz que é ato odioso

7 SET 2012Por MONTEZUMA CRUZ, JÉSSICA BENITEZ E ICO VICTÓRIO00h:01

Oficiais de Justiça voltaram ontem, por volta de 15h, à porta do Correio do Estado, na Avenida Calógeras nº 356, com mais duas liminares concedidas pela juíza da 36ª Zona Eleitoral, Elisabeth Rosa Baisch, determinando a suspensão da divulgação de nova pesquisa de intenção de votos do eleitorado campo-grandense, cuja publicação estava prevista para a edição de segunda-feira, 10 de setembro. A pesquisa é do Instituto de Pesquisas de Mato Grosso do Sul Ltda. (IPEMS).

Novamente, os candidatos Alcides Bernal (Força da Gente) e Reinaldo Azambuja (Novo Tempo) abriram mão do processo democrático para, no afã de barrar números, reforçar perfis idênticos na forma de agir perante a opinião pública.

Pela segunda vez a juíza Eleitoral Elisabeth Rosa não alterou sua decisão da semana passada, que resultou na invasão das dependências do jornal, seus computadores e seu departamento industrial, e aplicou nova proibição ao Correio do Estado.

Odioso

Para o advogado e ex-juiz eleitoral Alexandre Bastos, é necessário ter fortes indícios para aplicar uma medida restritiva como esta. “O direito de comunicação de liberdade de expressão está no mesmo patamar que o direito de livre manifestação de pensamento do eleitor, um não supera o outro. São dois direitos que não devem ser restringidos, só se houver um indicio forte”, afirmou.

Ele explicou, em uma comparação genérica, que o ato de barrar uma pesquisa seria coerente se os números apresentados fossem contrários aos de outras análises. Este não é o caso de Campo Grande, já que o instituto de pesquisa Ibope apontou dados semelhantes aos que levantados pelo Ipems.

Alexandre Bastos considerou uma tentativa de obstrução de informação o impedimento de outros veículos de comunicação e institutos de pesquisa de divulgarem levantamento de intenções de voto a pedido de candidatos. “É odioso em qualquer lugar deste planeta”, enfatizou.

A disposição dos candidatos a prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP) e Reinaldo Azambuja (PSDB) de continuar barrando publicações de pesquisas eleitorais por força de ações judiciais recebeu ontem duras críticas de leitores do Correio do Estado. 

Leia mais no jornal Correio do Estado
 
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também