TRÊS LAGOAS

Juíza suspende concurso da Câmara

Juíza suspende concurso da Câmara
29/06/2012 15:08 - mpe


A juíza Aline Beatriz de Oliveira Lacerda, concedeu na quarta-feira (27) liminar a favor do Ministério Público de Mato Grosso do Sul que ingressou na semana passada com uma ação civil pública, pedindo o cancelamento do concurso público da Câmara Municipal. A princípio, ela havia analisado o processo e solicitado que o Ministério Público estadual fizesse algumas alterações no pedido, no prazo de 10 dias, sob pena de indeferimento da ação.

Apesar disso, na última quarta-feira, a magistrada acatou a ação e concedeu liminar suspendendo o concurso até que seja feita uma retificação e nova publicação do edital. Na manhã de ontem, representantes do Legislativo Municipal estiveram reunidos com o promotor Mateus Macedo Cartapatti, para tratar do assunto. Entretanto, ficou acertado que não haverá prejuízos para as 2.930 pessoas que se inscreveram para concorrer as 18 vagas na Câmara Municipal.

A ação foi proposta pelos promotores Antônio Carlos Garcia de Oliveira e Matheus Macedo Cartapatti. Eles alegaram que o edital do concurso possui graves vícios que podem comprometer todo o processo. Entre os erros apontados pelo Ministério Público, estão o não estabelecimento de isenção de taxa de inscrição para as pessoas carentes, exigência em um dos cargos de capacitação não especificada e flagrante intuito de proteção àqueles que já trabalham nos quadros de funcionalismo público.
 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".