Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

GUERRA INTERNA

Juiz suspende expulsão de Chocolate do PP

Juiz suspende expulsão de Chocolate do PP
29/01/2014 08:35 - DA REDAÇÃO


O prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal, perde na Justiça a batalha para ficar livre do vereador Chocolate, um de seus grandes amigos até o início do mandato em 2013. Ontem, o juiz Nélio Stábile determinou a suspensão da expulsão do vereador Chocolate e sua imediata reintegração ao partido e criticou, na sua decisão, sem citar nome, o presidente regional da comissão provisória do partido, Alcides Bernal, segundo matéria publicada hoje (29) no jornal Correio do Estado. Segundo o magistrado, a expulsão de Chocolate do PP “está maculado por ilegalidade, considerando que já por ocasião de seu início foi instaurado por líderes do diretório estadual que nem sequer existe”.

Segundo o juiz, “há prova inequívoca de que referido partido possui apenas comissão provisória que, nos termos do próprio Estatuto e do Código de Ética partidários, não possui competência para receber arguição contra vereador”. Não é primeira vez que Bernal tenta expulsar Chocolate do partido.

O prefeito acusou o vereador de infidelidade partidária por ter votado a favor da instauração da Comissão Processante na Câmara Municipal para julgar pedido de cassação de mandato. Chocolate se defendeu dizendo que em nenhum partido se reuniu para definir posição a ser tomada na votação. Sem orientação partidária, sentiu-se liberado para votar de acordo com a sua consciência. Irritado, Bernal determinou a expulsão do vereador sem notificação pessoal como dispõe o Código de Ética do PP. A reportagem é de Adilson Trindade. 

Felpuda


As pré-candidaturas bizarras estão se espalhando nas redes sociais, nos perfis de quem acredita que esse tipo de “campanha eleitoral” poderá resultar em votos e até levar à conquista de uma vaga na Câmara Municipal de Campo Grande. Se antes isso era visto apenas no horário eleitoral na TV, agora está se espalhado como erva daninha nas redes. Como diria vovó: “Esse povo ainda se acha!” Afe!