Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Juiz rejeita pedido de liberação de veículo utilizado por empresário

18 AGO 10 - 07h:48
karine cortez

O juiz da 1ª Vara do Tribunal do Júri, Carlos Alberto Garcete, acatou o parecer do Ministério Público Estadual (MPE) e indeferiu o pedido de restituição do veículo que estava com Luís Afonso Santos de Andrade, 42 anos, empresário acusado de matar a esposa e arquiteta Eliane Nogueira, 39 anos. O requerimento foi feito por Maria Noêmia dos Santos, mãe de Luís Afonso. Ela alegou que o automóvel, um Volvo, é de sua propriedade e estava apenas emprestado ao filho. Contudo, o MPE opinou pelo indeferimento do pedido, sustentando que o veículo foi objeto de perícia, cujo resultado ainda não foi concluído. Além disso, consta no relatório que não se sabe qual será o teor do interrogatório do acusado e, dependendo do que ele disser, outras perícias no carro poderão ser necessárias
O veículo foi apreendido na empresa do réu no dia 2 de julho, data em que o corpo de Eliane foi encontrado carbonizado, no interior do veículo Polo, de propriedade da arquiteta, no Bairro Tiradentes, na Capital. Luis Afonso, que está preso desde o dia do crime, teve a prisão preventiva decretada na mesma semana e hoje cumpre prisão temporária no Presídio de Trânsito de Campo Grande.

Contrário
O  delegado que apurou o caso, titular da 4ª delegacia de polícia das Moreninhas, Wellington de Oliveira, já havia dito ao Correio do Estado que era contra a liberação do veículo para a mãe do acusado. “Foi nesse carro que ele trocou de roupa depois de ter incendiado o veículo da Eliane com ela dentro. Portanto, o veículo Volvo é parte do processo e não deve ser liberado até que se conclua o caso”, havia declarado.
As investigações apontam que Luís Afonso deixou o local do crime a pé, pegou um táxi e seguiu o local próximo de onde havia estacionado o veículo Volvo, na Avenida Mato Grosso. Ainda, conforme a polícia, o réu teria trocado de roupa dentro do carro antes de chegar à empresa onde estava dormindo quando foi preso. Luís Afonso contou que estava se separando de Eliane, com quem foi casado por dois anos, e por isso passou a dormir na empresa de iluminação que era do casal.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Auditores fiscais e servidores <br> da saúde municipal são nomeados
CONCURSOS

Auditores fiscais e servidores da saúde municipal são nomeados

Por dia, Campo Grande registra mais de um ataque de escorpião
CUIDADO

Por dia, Campo Grande registra mais de um ataque de escorpião

Pacote de R$ 3 bilhões em <br> obras será lançado em março
GOVERNO DO ESTADO

Pacote de R$ 3 bilhões em
obras será lançado em março

Horror de Auschwitz resiste, 75 anos depois
MUNDO

Horror de Auschwitz resiste, 75 anos depois

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião