Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Juiz decide seu futuro político até dia 25

Juiz decide seu futuro político até dia 25
04/03/2010 05:02 -


O juiz federal Odilon de Oliveira decidirá entre os dias 20 e 25 deste mês se deixará a magistratura para disputar as eleições deste ano. Ele foi convidado pelo presidente regional do PSDB a ingressar no partido e concorrer ao Senado ou ao Governo do Estado, caso a sigla não feche aliança com o PMDB e decida lançar candidatura própria. Odilon também recebeu convites de outras legendas, como PDT, PT, PMDB e DEM para tentar uma vaga de deputado federal ou de senador. “Na realidade, eu preferiria o Executivo”, afirmou Odilon. “Mas não sei se será possível concretizar um projeto nesse sentido”. Ontem, por telefone, Odilon disse que vai aproveitar as férias para analisar as propostas que recebeu. “Minha decisão depende em primeiro lugar de eu me aposentar e em segundo lugar, depende de fazer as conversações”, explicou. “Ainda não há nada de concreto, é apenas um projeto”, ressalvou. “Ao me aposentar, não vou ficar de braços cruzados, sem fazer nada. E das duas atividade que posso exercer, advocacia e vida política, a que mais me atrai é a vida política”, comentou. Para concorrer às eleições que acontecem em 3 de outubro, Odilon deve ingressar em um partido político seis meses antes do pleito, ou seja, no início de abril. Entretanto, ele só pode filiar-se depois de publicado o ato que comprove seu afastamento da magistratura de forma definitiva. O juiz pretende decidir até abril a qual cargo vai concorrer, caso decida ingressar na vida pública.

Felpuda


As pré-candidaturas bizarras estão se espalhando nas redes sociais, nos perfis de quem acredita que esse tipo de “campanha eleitoral” poderá resultar em votos e até levar à conquista de uma vaga na Câmara Municipal de Campo Grande. Se antes isso era visto apenas no horário eleitoral na TV, agora está se espalhado como erva daninha nas redes. Como diria vovó: “Esse povo ainda se acha!” Afe!