Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 14 de novembro de 2018

CASO SANASA

Juiz atende ex-primeira-dama de Campinas e adia depoimentos

4 AGO 2012Por terra00h:00

O juiz da 3ª Vara de Campinas, Nelson Augusto Bernardes, adiou para o dia 10 de agosto os depoimentos das testemunhas de defesa do Caso Sanasa que estavam agendados para esta sexta-feira. A decisão atendeu ao pedido do advogado Eduardo Carnelós, representante da ex-primeira-dama Rosely Nassin Jorge Santos.

Rosely é acusada pelo Ministério Público de comandar um esquema de desvio de verbas publicas da Sociedade de Abastecimento e Saneamento Ambiental (Sanasa). O esquema foi revelado pelos promotores do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) em setembro de 2010, e em janeiro do ano seguinte seria confirmado pelo seu ex-presidente, Luiz Castrillon de Aquino, que se beneficiou por uma delação premiada para colaborar com a Justiça.

Ao todo, seriam esperadas 22 pessoas a falar em favor dos participantes do esquema. Logo após a abertura da audiência, o advogado da ex-primeira-dama alegou que as testemunhas de defesa do ex-presidente Aquino deveriam ser ouvidas antes, já que ele consta na condição de "acusador".

"Vou provar que sou inocente"
O prefeito cassado de Campinas Demétrio Vilagra, que substituiu o seu antecessor Hélio de Oliveira Santos, também cassado, estava acompanhado de advogados e falou aos jornalistas que é inocente. "Eu acredito na justiça e vou provar que sou inocente", falou.

Também estiveram presentes na audiência os dois membros do primeiro escalão do governo Hélio: o ex-secretário de Segurança, Carlos Henrique Pinto, e o ex-secretário de Comunicações, Francisco de Lagos. O ex-prefeito Santos, marido de Rosely, não consta no processo. Rosely, Pinto, Lagos, Aquino e outras testemunhas se calaram diante dos jornalistas.

O juiz Bernardes acredita que o Caso Sanasa, que começou com a prisão de 11 pessoas, entre dirigentes públicos empresários e culminou com a cassação de dois prefeitos em 2011, possa ser concluído ainda este ano.
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também