CAPACITAÇÃO

Jovens investem até <br> R$ 5 mil por ano

Jovens investem até <br> R$ 5 mil por ano
24/06/2012 00:00 - INFOMONEY


Os jovens brasileiros estão preocupados com o seu desenvolvimento profissional. Uma pesquisa realizada pela Adecco revelou que, em 2011, 34% dos jovens graduados investiram de R$ 1.000 até R$ 5.000 em cursos de atualização ou pós-graduação.

Em contrapartida, estes profissionais estão pouco interessados em estudar idiomais. A maioria, com 55% dos entrevistados, afirmou que não pretende fazer curso de língua estrangeira. Entre os que pretendem aprender outros idiomas, 39% estudam inglês e 13% preferem a língua espanhola.

“A pesquisa revela que os jovens estão preocupdos em fazer cursos de atualização, mas ainda falta que eles percebam a importância da fluência em idiomas”, observa a coordenadora de Qualidade da Adecco Brasil, Fabiane Cardoso. “O mercado de trabalho está cada vez mais exigente; hoje já não basta ter fluência em um idioma, para alguns cargos é necessário fluência em até duas línguas estrangeiras”, completa Fabiane.

Os dados indicaram ainda que 46% dos entrevistados estão em busca de uma oportunidade de recolação. Destes, 30% concluiu possui graduação completa e 28% concluíram o ensino médio.

Regiões
A região Centro-Oeste é a segunda do País com o maior número de profissionais que buscam uma oportunidade de recolocação. A parcela é de 16%, de acordo com o estudo. O Centro-Oeste está abaixo apenas do Sudeste, que registra 58% de jovens à procura de recolocação.
A pesquisa foi realizada entre os meses de fevereiro a maio deste ano, com 2.200 profissionais. 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".