sexta, 20 de julho de 2018

CRISE NO EGITO

Jornalistas chegam a Brasília e comemoram fim da aflição

6 FEV 2011Por 13h:25

Do fim do terror no Egito até a chegada ao Brasil hoje (5), os repórteres Corban Costa, da Rádio Nacional, e Gilvan Rocha, da TV Brasil, tiveram de esperar 38 horas. A chegada a Brasília por volta das 14h teve clima de celebração com direito a parentes e amigos. Corban e Gilvan foram impedidos pelas autoridades egípcias de trabalhar no país. Ficaram 18 horas detidos em uma prisão egípcia e tiveram os olhos vendados por 15 minutos. Depois, foram expulsos do país.

Cansados da viagem, mas afirmando estar aliviados com o fim da “tortura psicológica”, Corban e Gilvan foram cercados por parentes, amigos e curiosos na chegada ao Aeroporto Internacional de Brasília Juscelino Kubitschek. Os jornalistas disseram que só quando o avião aterrissou em Brasília é que eles realmente se sentiram seguros.

Corban contou que eles desembarcaram no último dia 2 no Cairo, no auge das manifestações em protesto à permanência do presidente do Egito, Hosni Mubarak, mas não conseguiram fazer nenhum trabalho jornalístico. “Fomos detidos logo numa barreira policial a caminho do hotel. Eu não escrevi uma linha de matéria e Gilvan não fez uma imagem sequer”, disse.

Nas 18 horas em que ficou em uma sala de cerca de 4 metros quadrados na prisão, Corban afirmou que não tinha ideia do que aconteceria com ele e Gilvan. O repórter afirma que só pensava nas filhas - Daniela, de 21 anos, e Isabela, de 13 anos. Depois de serem libertados, Corban disse que telefonou imediatamente para as duas.

Recém-casada com Gilvan, Edna Soares, de 27 anos, afirmou que só conseguiu se acalmar quando conversou ontem (3) com o marido, que já estava em Paris. “Aí, sim, senti que não haveria mais risco quanto à segurança deles”, afirmou.

Gilvan disse que ele e Corban não sofreram violência física ao contrário do que ocorreu com outros jornalistas. Bem-humorado, o repórter cinematográfico contou ter presenciado situações atípicas, como um alemão que rezava em árabe, em voz alta, para convencer os policiais de que ele tinha familiaridade religiosa com os muçulmanos.

Leia Também