Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

RIO GRANDE DO SUL

Jornalista grávida morre após acidente com carro sequestrado

Jornalista grávida morre após acidente com carro sequestrado
22/01/2014 13:21 - Terra


Fernanda Hespanhol, 32 anos, morreu no início desta quarta-feira no Hospital Cristo Redentor, em Porto Alegre (RS), onde estava internada desde a última segunda-feira. A jornalista, grávida de três meses, foi vítima de um acidente de trânsito provocado por um foragido da Justiça no km 51 da BR-290 (Freeway), em Glorinha.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), por volta das 5h30, o motorista de um Picasso, Mário Raimundo da Silva Leyser, 52 anos, chegava para trabalhar em um posto de combustível na RS-118, em Gravataí, quando foi rendido por Herito da Costa Lima, 37 anos, condenado por crimes como furto, roubo e cárcere privado. A ação foi gravada pelas câmeras de segurança do local.

O criminoso assumiu a direção do veículo e obrigou Leyser a passar para o banco de trás do automóvel. Eles seguiram em direção a BR-290, no sentido litoral. No km 51 da rodovia, em Glorinha, o foragido perdeu o controle do carro, atravessou o canteiro central e se chocou de frente com o Corsa dirigido por José Daniel Borges, 35 anos, e a jornalista Fernanda.

Com o impacto, os dois ocupantes do Picasso foram arremessados para foram do carro. A PRF suspeita que o acidente tenha sido provocado por luta corporal dentro do automóvel ou por excesso de velocidade.

O proprietário do carro que havia sido rendido morreu ao dar entrada no hospital. O sequestrador e o marido da jornalista foram encaminhados em estado grave ao Pronto-Socorro de Canoas. Em sua página no Facebook, amigos e familiares de Fernanda deixaram mensagens em homenagem à jornalista. 

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?