Sexta, 23 de Fevereiro de 2018

VIAGEM AO EXTERIOR

Jornais argentinos destacam pontos de tensão em viagem

31 JAN 2011Por FOLHA ONLINE10h:28

A imprensa argentina destacou a visita que a presidente Dilma Rousseff faz hoje ao país, citando os principais pontos de tensão entre os dois governos.

O jornal "Clarín" publicou que o encontro da brasileira com a presidente argentina, Cristina Kirchner, servirá, antes de mais nada, para mostrar "que tipo de química existe" entre as duas.

A publicação comentou que será "um encontro de duas mulheres de caráter forte, com tantos pontos de concordância quanto de divergência em suas biografias políticas e pessoais".

Para o jornal, essa química depende do fato de o Brasil "habilitar as empresas argentinas a participarem de licitações multimilionárias de obras e serviços relacionados ao Mundial de Futebol de 2014 e aos Jogos Olímpicos do Rio de 2016".

Ao enumerar algumas das "tensões que sempre surgem na relação comercial", o "Clarín" também relembrou que Cristina não compareceu à posse de Dilma em 1º de janeiro.

Já o jornal "La Nacion" afirmou que "o governo argentino está satisfeito com as declarações" de Dilma à imprensa, nas quais ela ratificou seu interesse em manter boas relações com o país.

"Para a diplomacia [argentina], a chegada de Rousseff é central. Não só para afiar as relações com o principal sócio comercial, mas também porque a Casa Rosada tenta deixar para trás o sabor amargo da notícia, na semana passada, do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, de excluir a Argentina como destino de seu giro pela América do Sul", diz o diário.

Dilma chegou no local na manhã de hoje, como sua primeira viagem internacional como presidente. Está previsto para as duas mandatárias assinarem uma série de acordos bilaterais, como um que prevê a construção de reatores nucleares.

Após o encontro com Cristina, que irá ocorrer na Casa Rosada (sede da Presidência), a brasileira vai se reunir com membros das Mães e Avós da Praça de Maio, duas entidades que têm como objetivo encontrar crianças desaparecidas durante a ditadura militar argentina.

Leia Também