Campo Grande - MS, sábado, 18 de agosto de 2018

polêmica

Jogador de vôlei assume ser homossexual

5 ABR 2011Por eBand15h:09

Após polêmica de homofobia envolvendo Michael no duelo entre Vôlei Futuro e Cruzeiro, sexta-feira, em jogo da Superliga masculina de vôlei, Michael assumiu a sua homossexualidade. “Nunca cheguei e falei “sou gay” porque não tem necessidade. Todo mundo sabe. Não tenho necessidade de sair divulgando”, disse em entrevista ao globoesporte.com. nesta terça-feira.

O meio de rede destacou que a sua opção sexual não atrapalha em nada em seu desempenho em quadra. “Eu sou o Michael. Todo mundo sabe quem eu sou. Eles me respeitam totalmente no time. Não só aqui, mas nos 10 anos que joguei no São Bernardo. Todos os times me trataram bem”.

O jogador explicou o que aconteceu no jogo de sexta-feira. “No jogo em Contagem teve uma manifestação da torcida gritando “bicha”, “gay”, todas essas coisas. Já tinha acontecido casos isolados de algumas pessoas gritarem pelo clima do jogo. Mas nem escuto, deixo passar porque é ignorância. Mas foi um coro, senhoras, crianças e mulheres gritando, já num clima preconceituoso mesmo”.

Em sua opinião, esse fato atrapalhou seu desempenho em quadra. “Desconcentrar não me desconcentrou, mas a situação me deixou constrangido. Pensei sobre o que estava acontecendo. Foi uma manifestação por causa do meu jeito. Mesmo depois de me xingarem, não bati boca com ninguém, fui direto para o vestiário, poderia ter retribuído, mas não fiz”, destacou.

Michael comentou que recebe o apoio dos colegas e dirigentes de clube. “Os dirigentes vieram falar comigo também. Estavam escandalizados. Todo mundo ficou preocupado com o que eu estava sentindo. Lógico que não estava feliz”.

Os dois times voltam a se encontrar neste sábado, às 10h. O jogador se mostra tranquilo com essa situação. “Estou bem. Estamos treinando direto com o time forte. Muita gente que acompanha o vôlei está dando o maior apoio. Realmente fiquei assustado com a situação. Uma coisa é torcida, outra é uma aglomeração te xingando, apontando o dedo. Abalado não estou. Como atleta tenho que enfrentar, lidar com isso”.

Leia Também