Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASIL/MUNDO

Jato da Ocean Air cai na baía de Guanabara

Jato da Ocean Air cai na baía de Guanabara
13/08/2010 07:05 -


RIO DE JANEIRO

Um jato Learjet da Ocean Air Táxi Aéreo caiu na manhã de ontem na baía de Guanabara, no centro do Rio, próximo à cabeceira da pista do aeroporto Santos Dumont. Segundo a Infraero (estatal que administra os aeroportos do País) havia três pessoas a bordo e foram encaminhadas para os hospitais da região. O acidente aconteceu às 9h16min, quando o pneu da aeronave furou e provocou instabilidade no avião, que deslizou na pista e ficou parcialmente submerso.
Logo depois do acidente, piloto, co-piloto e um funcionário da empresa – os únicos ocupantes da aeronave – abriram a porta e saíram caminhando.
A aeronave levaria a apresentadora Xuxa para Recife. Segundo a assessoria ela não deveria estar no avião no momento do acidente, mas ele seria utilizado posteriormente. Outra aeronave levou a apresentadora para a capital pernambucana.
Após o acidente, duas lanchas e dois helicópteros do Corpo de Bombeiros foram acionados. Também foram ao local um rebocador da Marinha e carros com guincho para tentarem retirar a aeronave do local.
Devido aos trabalhos de resgate, o aeroporto Santos Dumont precisou ser fechado para pousos e decolagens. Os voos programados para o local foram desviados para o Tom Jobim. Posteriomente foi reaberto.
O jato foi retirado da água por volta das 17h, segundo o Corpo de Bombeiros. A retirada causou novamente o fechamento do local para pousos e decolagens das 15h57min às 17h05min. Das 15h12min às 15h35min, o aeroporto ficou fechado somente para pousos.

Entrevista
Em entrevista coletiva na tarde de ontem, o diretor operacional da Ocean Air Táxi Aéreo, Ricardo Santos, afirmou que um problema foi detectado pelo piloto após a decolagem do Santos Dumont. Ele perdeu as comunicações e os instrumentos. O procedimento foi retornar para o aeroporto e tentar fazer o pouso. O piloto avisou a torre de controle através de um sinal de emergência enviado via transponder. No pouso, ocorreu outro problema, que impediu que o avião freasse e não extrapolasse o limite da pista.
Santos afirmou que as investigações para apurar as causas do problema estão a encargo da empresa e do Centro de Prevenção e Investigação de Acidentes Aeronáuticos do Ministério da Defesa (Cenipa), que têm cinco dias para apresentar um laudo oficial inicial.

Felpuda


A continuar disparando tantas críticas ácidas contradizendo o seu partido, que em nível nacional ganhou até um ministério, político cá dessas bandas poderá ser colocado de escanteio e, se continuar nessa cruzada nada palatável para as lideranças, ser convidado gentilmente a “procurar o caminhão do qual caiu”, como se diz no popular. Os comentários são de que o dito-cujo age assim mais para ganhar holofotes. Esqueceu-se, pelo que se vê, que poderá ocorrer curto-circuito. Ui!