MENSALEIRO

Itamaraty pedirá hoje extradição de Pizzolato

Itamaraty pedirá hoje extradição de Pizzolato
26/02/2014 09:15 - g1


O Ministério das Relações Exteriores informou que enviará nesta quarta-feira (26) pela manhã à embaixada brasileira na Itália o pedido de extradição do ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato (foto), condenado no processo do mensalão e preso pela polícia italiana em Maranello neste mês.

O pedido, segundo o Itamaraty, será enviado, na sequência, ao governo da Itália. Os documentos serão enviados via correio denominado "mala diplomática", usado para a comunicação entre governos. Segundo o Ministério das Relações Exteriores, o Ministério da Justiça enviou o pedido que havia sido feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR) na tarde de ontem (25).

Pizzolato foi condenado pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) a 12 anos e sete meses de prisão por formação de quadrilha, peculato e lavagem de dinheiro.

O mandado de prisão contra o ex-diretor do Banco do Brasil foi emitido em 15 de novembro e desde então ele estava foragido, até ser preso pela polícia italiana, em 5 de fevereiro. Ele foi preso com documentos falsos e indiciado pela polícia italiana.

A extradição ocorre quando um país reclama o envio de um condenado ou processado em suas terras para que cumpra a pena ou responda ao processo. O caso de Pizzolato, no entanto, é polêmico porque ele tem dupla cidadania e, por isso, o governo italiano pode se recusar a extraditá-lo.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".