Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

MENSALEIRO

Itamaraty pedirá hoje extradição de Pizzolato

26 FEV 14 - 09h:15g1

O Ministério das Relações Exteriores informou que enviará nesta quarta-feira (26) pela manhã à embaixada brasileira na Itália o pedido de extradição do ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato (foto), condenado no processo do mensalão e preso pela polícia italiana em Maranello neste mês.

O pedido, segundo o Itamaraty, será enviado, na sequência, ao governo da Itália. Os documentos serão enviados via correio denominado "mala diplomática", usado para a comunicação entre governos. Segundo o Ministério das Relações Exteriores, o Ministério da Justiça enviou o pedido que havia sido feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR) na tarde de ontem (25).

Pizzolato foi condenado pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) a 12 anos e sete meses de prisão por formação de quadrilha, peculato e lavagem de dinheiro.

O mandado de prisão contra o ex-diretor do Banco do Brasil foi emitido em 15 de novembro e desde então ele estava foragido, até ser preso pela polícia italiana, em 5 de fevereiro. Ele foi preso com documentos falsos e indiciado pela polícia italiana.

A extradição ocorre quando um país reclama o envio de um condenado ou processado em suas terras para que cumpra a pena ou responda ao processo. O caso de Pizzolato, no entanto, é polêmico porque ele tem dupla cidadania e, por isso, o governo italiano pode se recusar a extraditá-lo.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CONVIDADO PARA PALESTRAR

Bretas barra viagem de Temer a Oxford

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta sexta-feira: "Normas para todos"

ARTIGO

Ângela Maria Costa: "A falácia da participação popular"

Integrante do Conselho Municipal de Educação
OPINIÃO

João Badari: "Concessão de aposentadoria poderá ficar mais difícil"

Advogado

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião