sexta, 20 de julho de 2018

resposta

Itália se antecipa e considera 'inaceitável' não extraditar Battisti

31 DEZ 2010Por afp03h:57

O governo da Itália informou nesta quinta-feira que Roma vai considerar "totalmente incompreensível e inaceitável" uma recusa do Brasil a extraditar o ex-ativista de extrema esquerda italiano Cesare Battisti. O Palácio Chigi (sede do governo) emitiu esta posição antes mesmo da decisão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre o caso, esperada para as próximas horas.

A imprensa brasileira e italiana preveem uma recusa. "Neste momento delicado, algumas informações fazem pensar que, na possível motivação do presidente Lula poderá haver uma referência a (...) um presumível agravamento da situação pessoal de Battisti" em caso de extradição, o que justificaria uma rejeição, diz o comunicado.

"O governo italiano entende, a partir de agora, declarar que considera totalmente incompreensível e inaceitável tal referência e decisão", diz o governo italiano. "O presidente Lula deverá, então, explicar a escolha não apenas ao governo (de Roma), mas a todos os italianos e, em particular, às famílias das vítimas", prossegue o texto.

A extradição de Battisti é reclamada com força pela Itália, onde foi condenado à revelia, em 1993, à prisão perpétua, por quatro mortes e cumplicidade em assassinatos cometidos em 1978 e 1979, crimes dos quais ele se diz inocente. O destino do ativista, preso há três anos na periferia de Brasília, está nas mãos de Lula desde que o Supremo Tribunal Federal (STF) deu sinal verde, no final de 2009, à extradição para a Itália, deixando a última palavra ao presidente.

Políticos e jornais italianos manifestaram indignação com o presidente Lula, antes mesmo do anúncio nesta quinta-feira.
 

Leia Também